Coloque em prática

Como evitar problemas de saúde comuns no verão

Desidratação, queda de pressão e doenças da pele são potencializadas pelo calor

19 de Dezembro de 2019


Com as temperaturas atingindo picos no verão, é preciso tomar alguns cuidados extras com a saúde. O calor intenso aumenta o risco de desidratação, inchaço, queda de pressão arterial e infecções de pele como micoses. Para se prevenir, os médicos especialistas dão algumas dicas para cada um deles.

Desidratação

Todo mundo possui estruturas denominadas osmorreceptores que recebem o estímulo da sede. Entretanto, com o passar dos anos, esse mecanismo acaba sofrendo alterações. “O idoso acaba sentido menos sede e tem maior risco de ficar desidratado”, explica Olga de Souza, cardiologista e presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro.

Outro agravante é que, à medida que o indivíduo envelhece, ele também perde massa muscular e gordurosa. Com isso, de acordo com a médica, começa a haver redução de líquidos no organismo. “Um adulto tem em média 70% de água corporal. Já o idoso tem aproximadamente 50%”, afirma a especialista. Juntando essas alterações naturais ao calor e umidade do verão, o idoso acaba se desidratando muito mais. Algumas das consequências da desidratação são desorientação (confusão mental), a pessoa fica sem vontade de fazer nada e pode haver surgimento de pedra nos rins, já que a urina fica mais concentrada.

Como evitar:
 Para prevenir esse quadro, a recomendação é beber 2 litros de água diariamente, ou um copo cheio a cada 2 horas, mesmo que não sinta sede.

Inchaço

As altas temperaturas também podem provocar inchaço nos membros inferiores, principalmente entre pessoas que passam várias horas do dia sentadas. De acordo com o diretor da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV), Bruno de Lima Naves, é necessário que o sangue percorra todo o organismo e retorne ao coração, e para isso é importante que a panturrilha trabalhe.

“Quando estamos parados, esse retorno se dá de forma lenta, principalmente em dias quentes, quando os vasos dilatam e o sangue acumula em uma região. Assim, é normal que a perna fique pesada e até inchada. É uma alteração fisiológica”, explica.

Como evitar: O grande remédio é fazer alguma atividade física. Não precisa ser algo complexo. Pequenas caminhadas dentro de casa ou no trabalho podem ser suficientes.

Queda de pressão

Em dias de temperaturas elevadas é tendência natural haver queda da pressão arterial. Com o calor, as artérias ficam mais dilatadas e o sangue tem mais espaço para circular. Quem toma medicamentos vasodilatadores para pressão alta pode ter esse efeito acentuado e sofrer hipotensão, ou seja, pressão insuficiente para que o sangue chegue a todos os órgãos e tecidos. Os principais sintomas são tontura e vista embaçada, podendo ocorrer desmaios.

Como evitar: A dica para evitar esse problema também é simples e combina com a prevenção da desidratação: beber muito líquido, como sucos, água, chá, água de coco e isotônicos. A conhecida técnica de ingerir sal não ajuda, pois demora para esse nutriente ter algum efeito na pressão e pode ser prejudicial para quem tem hipertensão.

Problemas de pele

Segundo a dermatologista Daniela Lemes, devido à exposição solar é muito comum nesta época o aparecimento de micoses, herpes e brotoejas. “Quando o indivíduo já tem o vírus do herpes no organismo, o sol acaba propiciando o aparecimento das crises, principalmente de herpes labial, que resultam naquelas bolhinhas d’água, como se fossem cachos de uva. É importante lembrar que elas são altamente transmissíveis”, ressalta Lemes.

Como evitar: Para se prevenir, é importante utilizar protetor labial com filtro solar de fator de proteção não inferior a 30. Pode-se usar várias vezes por dia, preferencialmente a cada duas horas. Já a brotoeja ocorre quando há uma obstrução das glândulas sudoríparas que impede a saída do suor. Elas são mais comuns em crianças, que transpiram mais, principalmente se utilizarem roupas fechadas. A pele fica avermelhada e as lesões aparecem mais no tronco, pescoço, dobras das pernas e tórax.

"Procure deixar as crianças com roupas mais leves e em locais ventilados. Para amenizar os sintomas, a mãe pode colocá-lo numa banheira com água e amido de milho para secar as erupções”, explica a dermatologista. Já micoses como o pé de atleta, que é a micose entre os dedos dos pés, acontecem geralmente porque o indivíduo colocou calçado com os pés ainda úmidos.

O ambiente de calor e umidade é ideal para o fungo se instalar. “No calor, tente não repetir os sapatos. Após chegar do trabalho, coloque-o para tomar um ar e, no dia seguinte, utilize outro par”, recomenda a médica. Na praia, evite sentar diretamente na areia ou ficar com roupa de banho molhada por muito tempo no corpo. Ao sair do mar, da piscina ou do banho, seque bem o corpo todo, principalmente as regiões de dobras e entre os dedos.

Fonte: Juliana Conte, para Drauzio Varella
Síntese: Equipe Plenae
Leia o artigo original aqui.

Compartilhar:


Coloque em prática

Qual a relação entre a alimentação e a depressão?

O que você come influencia mais nas suas emoções do que você imagina!

18 de Abril de 2023


Que a comida é um ponto crucial em nossas vidas, você já deve saber. Tratamos constantemente sobre alimentação dentro do pilar Corpo por entender que, quando não nos alimentamos bem, todo o resto se sente afetado. O que muitos podem não saber é que a má alimentação pode afetar até mesmo a sua saúde mental.

É isso mesmo que você leu: cientistas encontram novas evidências o tempo todo sobre essa relação que, há pouco tempo, parecia distante. E, mais recentemente, um outro laço foi estreitado. Trata-se da conexão entre a alimentação e a depressão. 

Essa é uma descoberta muito importante, já que a depressão é o transtorno de saúde mental mais comum do mundo e afeta 5% de toda a população adulta do mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde. Sua cura ainda gera debate, já que parte dos especialistas acredita não haver, somente um tratamento.

Mas, suas causas vêm sendo cada dia mais esclarecidas. Já se sabe que há um fundo genético importantíssimo envolvido. Também já se sabe que ambientes estressores ou exposição a episódios traumáticos podem engatilhar um episódio depressivo, assim como alguns desequilíbrios químicos - esses, especificamente, que também podem gerar controvérsias. Onde a alimentação entra nisso?

Comida X emoções

Como mencionamos, não há uma cura exata, embora a terapia direcionada e a medicação ajude muitos a superar ou controlar seus sintomas de depressão. Porém, essas intervenções não funcionam igualmente para todos, o que levou os pesquisadores a ampliar ainda mais sua busca de todos os fatores que contribuem para a doença, assim como novas abordagens para tratamentos e gerenciamento.

Foi quando a dieta ganhou destaque na pesquisa médica, com especialistas debatendo os prós e os contras do uso de intervenções dietéticas para tratar ou mesmo prevenir diferentes condições médicas. Estudos de todos os cantos começaram a surgir para fortalecer esse ponto de vista. 

Um deles é bastante recente, abril de 2022, feito na Universidade de Tecnologia de Sydney. Nele, os pesquisadores descobriram que homens de 18 a 25 anos experimentaram uma melhora nos sintomas de depressão após mudarem para uma dieta mediterrânea.

Em dezembro do mesmo ano, dois estudos publicados na Nature Communications analisaram a ligação entre a microbiota intestinal e os sintomas de depressão. Um dos estudos descobriu que 13 tipos de bactérias, em particular, estão associados a sintomas de depressão.

Os porquês são ainda um mistério. Pode ser a maneira como essas bactérias levam à ativação de diferentes sinais no cérebro que podem explicar a ligação entre a composição bacteriana do intestino e os sintomas de depressão, por exemplo. 

Mas pode ser também o fato de que, ao fazer certas mudanças na dieta, podemos aumentar a quantidade de certas espécies bacterianas no intestino e, por extensão, a comunicação entre o intestino e o cérebro, levando a uma melhora na depressão.

O intestino e suas emoções

Segundo um artigo do periódico Medical News Today, em um dos estudos, os pesquisadores explicam que essas bactérias estão envolvidas na síntese de certos neurotransmissores, também conhecidos como mensageiros químicos. Suas atividades podem, por sua vez, estarem envolvidas nos sintomas de depressão. Esses produtos químicos são glutamato, butirato, serotonina e ácido gama-aminobutírico (GABA). 

Como te contamos nesse Tema da Vez, a relação entre o cérebro e o intestino é mais complexa e importante do que se pode imaginar. Pesquisas anteriores já sugeriram que depressivos apresentam níveis mais altos de glutamato em seus sistemas do que pessoas sem depressão. 

O contrário vale para o butirato e GABA, já que níveis mais baixos do que o normal dessas substâncias foram associados a sintomas de depressão - sobretudo em pessoas com doença de Parkinson. Já a serotonina, neurotransmissor já muito falado por aqui, ainda gera dúvidas. 

Há pesquisas que afirmam que baixos níveis de serotonina são pelo menos parcialmente culpados pelos sintomas de depressão, enquanto estudos de pequena escala mais recentes continuam a afirmar que sua falta é a grande vilã. O mais curioso é que é no intestino que ocorre a produção de mais de 90% da serotonina no corpo, além de outros 30 mensageiros químicos que dizem ao cérebro não só o que fazer, mas o que sentir. 

Por fim, no microbioma intestinal há bactérias produtoras de uma substância chamada ácido graxo de cadeia curta, cujo objetivo é sintetizar outros três ácidos graxos de cadeia curta, incluindo acetato, propionato e butirato. E todos os três também atuam como fornecedores de energia, como explicou o Dr. Amin para o Medical News Today.

O que comer?

Te contamos aqui alguns alimentos bons para o cérebro, que por si só já devem ajudar na depressão. Para o Dr. Amin, o entrevistado do artigo que mencionamos, comer muitas fibras, grãos integrais e frutas fará sua microbiota intestinal “realmente feliz, especialmente as bactérias produtoras de ácidos graxos de cadeia curta”. 

Além disso, o simples fato de estar comprometido com a sua dieta, fazendo um diário da alimentação e anotando o que come, por exemplo, já é benéfico para quem tem depressão, já que um dos grandes problemas do transtorno é a dificuldade em se comprometer com a rotina. 

O ato de cozinhar a sua própria comida ou cozinhar para outra pessoa também pode ser um ato chave para esse tratamento. Trazer variedade para o prato também pode ser importante para melhor educar o seu intestino, que pode estar acostumado a receber sempre a mesma coisa. Que tal variar um simples grão de feijão?

Evite alimentos e bebidas não-saudáveis, ultraprocessados ​​e com adição de açúcares, já que estudos têm repetidamente mostrado como um importante fator de risco para a saúde e não acrescentam em nada para seu bem-estar. Adicione alimentos probióticos, como iogurte ou um leite fermentado, bem como alimentos prebióticos, como folhas verdes, que podem ajudar a melhorar a diversidade bacteriana no intestino.

Coma mais alimentos ricos em ômega-3, como peixes oleosos ou nozes, que podem ter um efeito antinflamatório e podem ajudar a aliviar os sintomas da depressão. Por fim, uma dieta mais saudável não precisa ser um ato de sacrifício. Você pode comer um chocolate e compensar com frutas e vegetais depois. O equilíbrio, como sempre, é o segredo de tudo. 

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais