Para Inspirar

Desmistificando conceitos: o que é o afeto?

Mais do que o significado comum, que relacionamos aos sentimentos bons dirigidos à alguém, afeto vai além disso e reverbera de diferentes formas dentro de nós

4 de Novembro de 2020


Segundo o site Origem da Palavra , especialista em oferecer etimologia de termos comuns no nosso dia a dia, “afeto” e “afetar”, possuem a mesma raiz. “Elas derivam  do latim AFFECTIO, “relação, disposição, estado temporário, amor, atração”, da raiz de AFFICERE, “fazer algo, agir sobre, fazer, manejar (...)”.

Indo por essa linha, o doutor em ciências sociais pela PUC-SP e professor na Faculdade Casper Líbero, Luís Mauro de Sá, discorre em vídeo para a Casa do Saber , sobre o conceito do afeto baseado, sobretudo, nos estudos do filósofo Baruch de Espinosa - aquele mesmo, citado em nossa matéria sobre Panteísmo . Mais do que discorrer sobre as manifestações divinas, o estudioso holandês também debruçou-se sobre a alma humana.                                

Apesar de sermos seres racionais, somos muito afetados também pelas nossas emoções

Luís Mauro começa o vídeo falando sobre a dualidade mais antiga que permeia o ser humano: somos seres racionais, mas muito afetados também pelas nossas emoções, ainda que em tempos modernos elas insistam em ser sufocadas pelo nosso cotidiano.

O professor defende que, para sermos compreendidos - e, porque não, nos compreender - precisamos levar em consideração “a dimensão fundamental do afeto”. Para isso, ele se vale nos escritos da filosofia, e não necessariamente a contemporânea.

Mesmo que tenha publicado seus principais escritos ainda no século 18, Espinosa já ressaltava a importância justamente de estarmos atentos aos nossos afetos. O filósofo foi um desses casos não tão raros de escritores valorizados postumamente. Até porque, em sua época Espinosa era considerado um ateu a ser renegado.

Isso, é claro, era mentira - e se dava somente pelo fato do filósofo ter criticado, muitas vezes, a forma como os estudos teológicos endurecem as concepções possíveis de Deus, como explica o professor de História e Filosofia da UNIFESP, Fernando Dias Andrade em vídeo para a Casa do Saber .

                                             
Para Spinoza, Deus é maior e mais forte do que as amarras da religião

Para ele, religião é um conjunto de verdades simples e irrefutáveis, que até mesmo a razão é capaz de reconhecê-las como verdadeiras. São elas: Deus existe; Devemos amar o próximo; Devemos cumprir nossas promessas; entre outras. Cientistas como Albert Einstein passaram a se autodenominarem como “espinozistas”, gerando ainda mais resistência ao filósofo por parte dos teólogos da época.

Deu para perceber que, apesar de polêmico, o filósofo era também avesso à firulas, por assim dizer. De caráter mais prático, ele buscava entender o que eram as coisas de fato e como elas repercutiam em nós. E é aí que voltamos ao afeto e ao professor Luís Mauro: devemos ir além do que conhecemos por afeto, geralmente relacionados ao carinho destinado à alguém, ou sempre num sentido mais positivo.

Isso está correto, mas não se delimita somente a isso. O afeto mora também em tudo aquilo que nos afeta de alguma maneira, aquilo que “move a minha alma”. Ele está ligado ao verbo afetar - aquilo que me afeta, seja qual for sua forma. Exatamente da forma que explicamos ainda no início dessa matéria, quando trouxemos a etimologia da palavra.

Valorizar somente a nossa racionalidade é uma armadilha, pois isso nos coíbe de valorizar o tempo dos nossos afetos. Ainda que em tempos de redes sociais estejamos falando cada vez mais sobre nós, também estamos o fazendo de forma cada vez mais rasa, sem parar para prestar atenção justamente no que verdadeiramente nos afeta.

Para o psicanalista Wilson Klain, em Café Filosófico gravado pela TV Cultura , o afeto “nasce no corpo, parte do corpo e age sobre o corpo”. Portanto, ele é indissociável de nós mesmos. Apesar de serem como “nuvens”, segundo o próprio, por não serem físicos ou possíveis de serem pegos na mão, eles são sentidos profundamente por nós. São produzidos pelo organismo e, simultaneamente, são orgânicos.

                                          
Pode-se concluir, portanto, que afetos são conjuntos de manifestações orgânicas e atribuições psíquicas que permeiam todas as nossas emoções, tanto as positivas como as negativas. Ele nunca é neutro, pois vem sempre repleto de significados, alegrias, tristezas, dores ou prazeres. Justamente porque, em sua essência, ele nos afeta.

Compartilhar:


Para Inspirar

Você sabe o que é mindfulness?

Mindfulness – ou presença plena, em inglês – é um filosofia que envolve meditação e um estilo de vida.

28 de Junho de 2018


Mindfulness – ou presença plena, em inglês – é um filosofia que envolve meditação e um estilo de vida. Exige que o praticante separe alguns minutos do dia para sentar em um local tranquilo, fechar os olhos, inspirar e expirar pelas narinas com calma e não pensar em nada. No resto do dia, sugere uma vida mais calma – onde uma coisa é feita de cada vez – e concentração no momento presente – deixando as aflições do futuro e as lamúrias do passado de lado. Muitas práticas indianas têm a mesma essência, caso da ioga. A atenção plena pode ser aplicada a qualquer experiência, como comer, relaxar e fazer atividades físicas. Embora mindfulness possa parecer um programa de autoajuda, a técnica tem eficácia respaldada em estudos científicos. Muda a estrutura do cérebro. Oito diferentes áreas do cérebro são alteradas, principalmente o lobo frontal e o hipocampo – regiões associadas às emoções e à memória. Essas mudanças no cérebro promovem uma maior auto-regulação, permitindo uma ação pensada no lugar de uma reação automática. Isso cria resiliência emocional, ajuda a lidar melhor com os desafios da vida. Memória e foco também são aprimorados com apenas oito semanas de prática. Fortalece o sistema imunológico. O que pensamos e sentimos pode afetar o sistema imunológico. Mindfulness ativa as áreas do cérebro que influenciam o sistema imunológico, que passa a responder com mais eficácia. Reduz o estresse. O ritmo mais desacelerado baixa o cortisol, hormônio do estresse e, consequentemente, o risco de doenças a ele associadas. Também, aumenta o comprimento dos telômeros (capa proteica dos cromossomos), o que está relacionado a uma vida útil mais longa. Alivia a dor crônica. Pode ajudar às pessoas com problemas de dor crônica gerenciar melhor o desconforto. A prática regular ainda aumenta a vitalidade e entusiasmo pela vida. Aumenta a qualidade de vida. Praticantes de mindfulness relatam menor depressão, ansiedade, diminuição de pensamentos e sentimentos negativos. Além disso, dizem sentir mais empatia e compaixão, bem como maior satisfação no relacionamento. Ajuda no tratamento de doenças psicológicas. Entre elas, transtorno de estresse pós-traumático e de déficit de atenção, hiperatividade e distúrbios de humor. No link abaixo alguns exercícios: http://www.mindful.org/category/meditation/mindfulness-practice/ Leia o artigo original aqui.

Fonte: Integrative Longevity Síntese: Equipe Plenae

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais