São Paulo: há beleza em meio ao caos

São Paulo nem sempre é hostil.

25 de Janeiro de 2023


São Paulo nem sempre é hostil. Mas quando é, o faz com maestria. Te chacoalha, esmaga, condensa. Molha a barra do seu jeans para que o incômodo perdure por todo o dia, como um breve lembrete da vil capital que grita “a esquerda é livre!” no ouvido do desavisado.⁠

Por vezes, muda o clima. Em um mesmo dia, te faz suar e tremer, sentir que errou a roupa, o caminho, todas as suas escolhas. Paralisa em um trânsito de horas que te obriga a achar distrações. Mas te faz ser grato: poderia ser pior, poderia ser o metrô. Lar de todas as pessoas que começam o dia esperançosas ou sonolentas demais para pensar sobre. É um ponto de encontro de almas que gostariam de estar em outro lugar, mas há calor humano, não se pode negar.⁠

São Paulo te dá tantas opções de entretenimento que você acaba solitário no mesmo bar que frequenta há anos, tomando o mesmo drink que já fora mais gostoso. Mas de repente, ela te presenteia com um esplendoroso pôr do sol que insiste em aparecer mesmo sufocado por prédios que despontam de toda a parte, ainda que o espetáculo tenha alguma poluição envolvida. O amanhecer que cheira a chuva, gotas que lavaram a sujeira e renovam as apostas.⁠

SP é também a consciência do coletivo, o sorriso do morador de rua que te atinge no meio de uma passada rápida na calçada e te acompanha por todo o percurso. É a prestação de um serviço caro, mas eficaz, é o cachorro na rua que te segue da feira ao trabalho, deixando uma saudade genuína do que é simples.⁠

São as ruas, povoadas, pipocadas, coloridas. Cheias de vida 24 horas por dia, ora dolorosa, ora sorridente, mas viva. Pronta para te acolher, te oferecer, te ensinar um pouco mais sobre o outro, sobre si e sobre espaço. Uma vitrine de pequenos universos particulares que viajam em seus próprios fones, livros, celulares.⁠

É preciso assumir suas falhas e seus defeitos, não romantizar os seus desalentos. Mas é necessário enxergar beleza no que não se vê, assumir o belo que insiste em habitar até mesmo o duro concreto de suas curvas, que abrigam poesias não decifradas. Cabe a você entender a mensagem ruidosa de uma ligação sem sinal dentro de um túnel que São Paulo tenta te enviar. Você consegue?

São Paulo: há beleza em meio ao caos São Paulo: há beleza em meio ao caos São Paulo: há beleza em meio ao caos São Paulo: há beleza em meio ao caos

Compartilhar:


Para Inspirar

A décima quarta temporada do Podcast Plenae está no ar!

Venha conhecer um pouco mais sobre cada um dos seis participantes, que se inscreveram e tiveram suas histórias selecionadas!

12 de Novembro de 2023


A décima quarta temporada do Podcast Plenae está para começar! Apertem os seus cintos e aproximem seus fones no ouvido, porque esse mergulho promete ser intenso e inesquecível. 

Depois de uma seleção criteriosa e centenas de histórias bonitas, a equipe Plenae escolheu as seis representantes dos nossos pilares para dar voz a essa temporada. O esquema você já conhece: cada personagem representa um pilar Plenae e narra sua trajetória, com o objetivo de inspirar a sua também. 

Nesses próximos dias, você conhecerá o relato potente de Luciane Zaimoski que, representando o pilar Mente, contou sobre os aprendizados que colheu depois de um acontecimento com o seu filho que mudou a sua vida. O médico Fernando Korkes representa o pilar Propósito e conta como encontrou o seu próprio quando se viu do outro lado da mesa: o de acompanhante de um paciente. 

Aline Borges, sobrevivente de uma síndrome rara e representante do pilar Espírito, relembra sua experiência de quase morte e como essa situação a conectou definitivamente com o divino. Em Relações, nos emocionamos com a história de amor que Bella Santoyo nos traz e como vidas que se cruzam possuem a força de mudar todo um destino. 

Regis Adriano nos prova que se não tudo, muita coisa é possível quando se tem foco no objetivo final. Ex-usuário de drogas, ele representa o pilar Corpo e nos marca para sempre com o seu testemunho. Para finalizar a temporada, conhecemos a resiliência de Emar Batalha, que insistiu em dar a volta por cima mesmo quando a tempestade parecia vencer - e, por isso, representa o pilar Contexto.

Uma coisa é fato: a cada final de temporada, voltamos diferentes, mudados e melhorados. Esse é o poder que ouvir o que o outro tem para falar pode exercer em todos nós. Aperte o play e inspire-se!

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais