Para Inspirar

Sono profundo pode ajudar a tratar a ansiedade

Os níveis de ansiedade das pessoas aumenta 30% após uma noite sem dormir, diz pesquisa

20 de Novembro de 2019


Passar uma noite sem dormir pode aumentar a ansiedade em até 30%. Além disso, a fase profunda do sono é um alívio natural contra o distúrbio. Essas são as principais conclusões de uma pesquisa científica publicada na revista Nature Human Behaviour . Matthew Walker, professor de neurociência e psicologia da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, e seus colegas examinaram os efeitos de vários estágios do sono na ansiedade em 18 participantes.

Cientistas rotineiramente dividem o sono em duas grandes categorias: movimento rápido dos olhos (REM) e sono não REM. As duas primeiras fases do sono não REM são leves, nos quais o corpo se ajusta da vigília ao repouso. Já a terceira é o sono profundo e restaurador que precisamos nos sentir recarregados pela manhã.

O sono não REM normalmente é seguido pelo REM, que é o estágio mais leve e cheio de sonhos antes de acordar. A atividade cerebral é diferente de acordo com a etapa do sono. Por isso, os cientistas avaliaram os efeitos das diferentes fases do repouso na ansiedade.

A pesquisa

Para medir os níveis de preocupação excessiva, os pesquisadores pediram a um grupo de 18 jovens adultos que assistissem vídeos emocionalmente perturbadores após uma noite inteira de sono e depois de uma noite sem dormir. Em cada sessão, os participantes preencheram um questionário padrão sobre ansiedade. Os cientistas, então, monitoram a atividade cerebral das pessoas por meio de ressonância magnética funcional e de polissonografia.

A análise dos dados mostrou que uma área do cérebro chamada córtex pré-frontal medial foi desativada após uma noite em claro. Estudos anteriores sugeriram que essa região atenua a ansiedade e o estresse. Os exames também revelaram atividade cerebral excessiva em outras áreas associadas ao processamento de emoções. Uma noite sem dormir elevou os níveis de ansiedade em até 30%, relatam os autores.

Além disso, o estudo constatou que os níveis de ansiedade despencaram após uma noite inteira de sono e que essa redução foi ainda mais significativa em pessoas que passaram mais tempo no estágio profundo, de ondas lentas e não REM do sono. "O sono profundo restaurou o mecanismo pré-frontal do cérebro que regula nossas emoções, diminuindo a reatividade emocional e fisiológica e impedindo a escalada da ansiedade", relata Eti Ben Simon, principal autora do estudo.

Sono como recomendação clínica

Os pesquisadores procuraram replicar suas descobertas e, por isso, realizaram outro conjunto de experimentos em uma amostra maior, de 30 participantes, além de uma pesquisa on-line com 280 pessoas. O estudo em laboratório confirmou que as pessoas que experimentaram um sono mais profundo à noite tiveram menos ansiedade no dia seguinte.

A pesquisa online também revelou que a quantidade e a qualidade do repouso impactava o nível de preocupação dos indivíduos no dia seguinte. Para Eti Ben Simon, o bom sono deveria ser uma recomendação clínica para o tratamento da ansiedade.

Fonte: Ana Sandoiu, para Medical News Today
Síntese: Equipe Plenae
Leia o artigo completo aqui

Compartilhar:


Para Inspirar

Pesquisas sobre alzheimer ganham fôlego

Em todo o mundo, cerca de 50 milhões de pessoas sofrem de demência, a maior parte provocada pelo Alzheimer.

28 de Novembro de 2018


Casado há 50 anos, Peter Wooding, de 77 anos, está entre os 5 milhões de norte-americanos vítimas de Alzheimer. A diferença é que ele resolveu lutar contra a lenta perda de memória, a confusão e demência causadas pela doença. Hoje, o americano está entre os 2.700 voluntários espalhados pelo mundo que aderiram aos testes de novas drogas que procuram um tratamento efetivo – ainda não alcançado. A experiência. Dois terços dos voluntários recebem o medicamento novo e um terço, o placebo. Trata-se de um estudo de 18 meses, duplo cego – em que nenhum dos voluntários sabe o que está tomando. A droga que Wooding se inscreveu para testar, a aducanumab, foi projetada para eliminar a amiloide, proteína acumulada no cérebro dos doentes. Ela é responsável pela formação de placas que podem estrangular células nervosas saudáveis ​​e apagar circuitos críticos para memória e raciocínio organizando. Nos primeiros estudos, as placas encolheram e algumas pessoas – que tomaram o medicamento por três anos –apresentaram diminuições mais lentas na memória e nas habilidades de pensamento aferidos em testes mentais. Dimensão. Atualmente, uma em cada 10 pessoas com mais de 65 anos nos Estados Unidos tem Alzheimer. Em 2050, 16 milhões podem ser afetadas pela doença. Em todo o mundo, cerca de 50 milhões de pessoas sofrem de demência, a maior parte provocada pelo Alzheimer. A patologia foi descrita pela primeira vez pelo médico Alois Alzheimer em 1906. O mercado de medicamentos contra a doença atinge um valor estimado de US$ 30 bilhões nos Estados Unidos. Na busca pelo tratamento, já foram gastos centenas de milhões de dólares, senão bilhões. Características da doença. Embora existam genes que contribuem para o aumento do risco, na maioria dos casos, a idade é o maior desencadeante. O cérebro humano é extremamente resiliente, mas apenas até certo ponto. Com o tempo, as conexões que costumam guardar a memória começam a se enfraquecer. Os primeiros sintomas podem ser tão inócuos quanto esquecer onde você deixou o telefone ou faltar a um compromisso. No início escapam as memórias mais recentes. Lentamente, tarefas sofisticadas, como organizar uma viagem, pagar contas ou dirigir para lugares familiares, tornam-se mais desafiadores. A memória vai se apagando até o ponto de o doente não reconhecer os entes queridos. O distúrbio do cérebro que rouba a memória revelou-se extremamente difícil de tratar. É muito difícil encontrar e acessar algo no cérebro sem comprometer a delicada rede de atividades que mantém a respiração, o pensamento e a rotina. Plano nacional. Foi apenas em 2012 que o então presidente Barack Obama criou o primeiro plano nacional para abordar a doença e estabeleceu o objetivo de encontrar maneiras de prevenir e tratar o mal de Alzheimer até 2025. Como resultado, o financiamento da pesquisa de Alzheimer nos Institutos Nacionais de Saúde, por exemplo, mais do que duplicou a partir desse período. A mudança na atenção para a doença de Alzheimer torna os pesquisadores esperançosos e, pela primeira vez em décadas, eles avançam. Um sinal disso são os primeiros resultados esperançosos da pesquisa com a aducanumab, da qual Wooding faz parte. Leia o artigo completo e assista o vídeo em inglês sobre o casal aqui .

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais