Parada obrigatória

Mergulhando nos porquês

O que foi falado no Plenae em junho

30 de Junho de 2023


Olá, caro leitor. É sempre um prazer ter você aqui com a gente. Em junho, demos continuidade a mais uma temporada do Podcast Plenae, dessa vez, a décima segunda. Conhecemos a história de foco e resiliência de Carlos Burle, representando o pilar Mente. Em Propósito, nos emocionamos com os caminhos que o bombeiro Leo Farah trilhou.

Nos inspiramos com a jornada de autoaceitação da Letticia Munniz, que representou lindamente o pilar Corpo. Terminamos o mês - mas ainda não a temporada toda! - quebrando nossos tabus e deixando nossos preconceitos de lado com Mariam Chami, que trouxe um outro lado do islamismo para o pilar Espírito. 

Como você já sabe, a cada semana de episódio, produzimos também um conteúdo relacionado, que converse diretamente com o tema abordado nos capítulos. E quais foram eles? Te contamos a seguir!



Seja um aliado da luta
Inspirados pelo episódio lançado ainda em maio de Fernanda Ribeiro, separamos algumas dicas para apoiar mais a causa preta no seu dia a dia. Um detalhe importante é que todas elas são acessíveis e pelo menos uma pode ser colocada em prática ainda hoje! Seja um aliado dessa luta tão importante.



Quem conta um conto…
Aumenta um ponto. Já ouviu esse ditado? Nesse conteúdo, buscamos entender a importância de contar histórias, essa atividade ancestral da nossa espécie. Essa investigação foi inspirada no episódio de Carlos Burle, que buscou melhorar a sua oratória para fortalecer ainda mais o seu esporte, o surf, diante



Qual sua missão?
A busca por um propósito de vida pode ser leve e aterrorizante na mesma medida. Para Leo Farah, o próprio destino se encarregou de guiá-lo até a sua verdadeira missão de vida. Mas, essa não é a realidade de todo mundo. Por isso mesmo, te contamos como a ciência pode te ajudar nessa procura!



O corpo de verão
O corpo de verão, tão desejado ao longo dos séculos, é simplesmente aquele corpo onde há uma pessoa feliz dentro dele. Essas e outras frases de efeitos que buscam pregar a autoaceitação são parte de um movimento chamado body positive (o corpo positivo, em tradução), movimento que Letticia Munniz faz parte. Venha conhecer!



Quebrando tabus
Nada melhor do que deixar velhos preconceitos no lugar onde eles pertencem: no passado. É isso que Mariam Chami busca fazer com a sua religião, o islamismo. Pensando em somar, fomos desmistificar esse conceito e te explicamos mais sobre um dos dogmas mais antigos - e cheios de tabus - do mundo. 



O melhor dos amores: o próprio
No dia dos namorados, trouxemos a nossa queridinha do Instagram: a crônica. Nesse texto, brindamos aos diferentes tipos de amores: os que já se foram, os que estão por vir, os que ficam porque fazem de tudo para ficar, os que fogem à regra… E, principalmente, ao amor próprio, o mais potente e importante amor.



Coloca um casaquinho!
Porque o inverno definitivamente chegou. A estação mais fria do ano nos desafia a enxergar poesia e beleza mesmo quando isso parece tarefa difícil. Ela também nos lembra que para aquecer, é preciso estarmos juntos, segurando as nossas mãos. É sobre isso que nos debruçamos na última crônica do mês.



Com a cabeça na lua 
Você sonha? Se sim, lembra do que sonhou? Sente que sabe que está sonhando enquanto ele acontece? No Tema da Vez de junho, trouxemos a temática à mesa e discutimos a importância dos sonhos, qual a visão da ciência e de outras correntes e outras dicas importantes para domar a sua mente e sua atividade onírica.

Nos vemos em julho, esse mês que traz consigo o encerramento dessa linda temporada do Podcast Plenae e muitos outros conteúdos que possuem um único objetivo: te lembrar que você importa e que o equilíbrio dos pilares é o caminho. Nos vemos em breve!




Compartilhar:


#PlenaeApresenta Derek Rabelo e os sonhos sem limitações

Mergulhe na história de superação e intenção do surfista Derek Rabelo, representando o pilar Corpo.

8 de Abril de 2024



O que te impede de realizar o seu principal sonho? Para Derek Rabelo, nenhuma limitação física foi capaz de desacelerar aquilo que ele mais queria: ser surfista de ondas gigantes. Mas, esse propósito foi se criando ao longo de sua vida, não apareceu de uma hora para a outra. 

Sua história começa como a de todos nós: na infância. A diferença, contudo, é que essa infância foi marcada pela descoberta de glaucoma congênito, doença que, sem um motivo específico, causa uma pressão ocular muito grande. No caso de Derek, o levou a perda total da visão. “Os meus pais foram pegos de surpresa. Nenhum ultrassom na gravidez mostrou que eu tinha um problema. Quando eles receberam a notícia de que eu era cego, ficaram desesperados. O que seria do meu futuro? Quem cuidaria de mim quando eles não estivessem mais aqui?”, relembra.

Foi quando eles começaram a buscar todo tipo de alternativa que pudesse contornar essa situação, mas nenhuma cirurgia foi capaz de reverter o quadro. Ter uma criança que não enxerga em casa muda toda a dinâmica da família. No caso de Derek, a diferença entre o pai que o encorajava nas aventuras e a mãe superprotetora era visível. De qualquer forma, nenhuma atividade para esse menino hiperativo superava as visitas à praia. 

“O meu amor pelo mar surgiu desde muito pequeno. Eu nasci e cresci em Guarapari, uma cidade litorânea do Espírito Santo. Eu tenho até hoje uma prancha de bodyboard infantil que eu ganhei de presente. O meu pai me puxava pelo leash na água e eu lembro como eu ficava feliz quando as ondas batiam em mim”, conta. 

Na etapa da alfabetização, como para muitas crianças com deficiências, foi um desafio e não tanto pelo desenvolvimento de suas competências, mas pela falta de preparo e empenho das instituições escolares. Há ainda o fator do bullying envolvido, o que torna esse estágio da vida ainda mais desafiador do que ele naturalmente já é. 

“Mesmo com os perrengues, eu sou grato aos meus pais por ter frequentado uma escola comum. Os desafios contribuíram para minha jornada. Se eu tivesse estudado num colégio para deficientes, eu acho que eu teria ficado preso nesse mundo. Os meus pais sempre quiseram que eu me adaptasse a qualquer circunstância. Talvez por isso eu nunca tenha tido pensamentos do tipo: ‘Caramba, eu sou um cego fracassado, o que eu vou fazer da minha vida?’”, pondera.

Tudo isso ficou para trás quando Derek - que recebe esse nome em homenagem a um outro surfista, o Derek Ho - , resolve literalmente mergulhar no mundo do surfe na adolescência. Mesmo que ninguém quisesse te ensinar, ele persistiu e convenceu seu pai a te ensinar depois de ter se machucado. 

“O meu pai me deu uma bronca, mas ele viu como eu fiquei frustrado. Um tempo se passou e, quando eu tinha 17 anos, o meu pai me levou pra surfar. Era um fim de tarde e o meu pai falou: “O mar tá perfeito para você aprender”. Ele pegou a prancha dele e, ainda na areia, passou algumas instruções sobre como ficar em pé. Depois, a gente caiu na água e ele tentou me colocar em algumas ondas. O meu pai esperava que eu ficasse de pé logo no primeiro dia, como ele fez quando tinha 14 anos. Mas eu não consegui. Ainda assim, eu amei a experiência e fiquei com vontade de repetir”, diz.

Depois disso, ele tentou ainda outras vezes com pai, tio, amigos, mas só uma escola de surfe foi capaz de realmente ensiná-lo. “A galera me recebeu super bem. Foi um processo de adaptação para todo mundo. Pra mim, lógico, porque eu nunca vi alguém pegando uma onda. Mas pra eles também, porque eles nunca tinham ensinado uma pessoa que não enxerga”.

O seu processo de aprendizado foi mais demorado do que o dos outros alunos, mas Derek lembra com carinho do professor que, segundo ele, era um cara muito paciente.
 “Eu aprendi a surfar usando toda a minha sensibilidade da audição e do tato. Eu escuto os sons do mar e sinto o movimento da água para saber quando a onda está se aproximando. Foi assim também que eu aprendi a hora certa de remar e de ficar em pé na prancha. Eu encosto a mão na parede da onda, para entender como ela vai quebrar. Na hora, é tudo muito rápido, questão de fração de segundo. Com o tempo, eu fui pegando prática e esse processo ficou mais automático”, explica.

Um ano depois, Derek já era um explorador dos sete mares e queria cada vez mais. Se lançou a oceanos distantes e ondas estrangeiras, conheceu atletas de toda a parte e fez seu nome em um esporte que não pensava que não era preciso ver para sentir toda a sua imensidão. Conheça a história toda no episódio completo. Aperte o play e inspire-se!

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais