Entrevista com

Ana Carolina Souza

Consultora especializada em Neurociência Comportamental, pro

Por que procrastinamos e como driblar esse fenômeno?

Atitude comum em todos os seres humanos em algum momento da vida, a procrastinação traz, sim, malefícios, mas é possível fugir dela.

10 de Novembro de 2023



Você com certeza já postergou alguma entrega, deixou algo para a última hora, pensou “depois eu faço” e, na hora de fazer, se arrependeu de ter demorado tanto. Fique tranquilo: não se trata de uma acusação, afinal, todos nós, em algum momento da vida, já estivemos desse lado, seja postergando uma atividade física, um encontro com alguém ou até uma entrega profissional. 

Mas, o problema é que a data daquilo que tinha que ser feito sempre chega. E, com ela, frustrações, culpa e acusações externas. Como mudar esse cenário, então? Conversamos com Ana Carolina Souza, sócio-fundadora da Nemesis Neurociência Organizacional, consultora especializada em Neurociência Comportamental, professora e palestrante, para entender um pouco mais sobre o tema. 

Você confere o bate-papo completo a seguir! 

Falando em ciência: qual é o processo mental e cerebral envolvido quando estamos procrastinando? 

Um dos componentes principais associados à procrastinação tem a ver com a resposta motivacional, a motivação que mobiliza o nosso comportamento. Portanto, estamos falando sobre a discussão das emoções. As suas motivações podem ser várias: busca, interesse, aproximação, alcançar algo positivo, importante ou significativo pra você - tanto faz qual seja a sua. 

Em sua ausência, quando eu não quero fazer aquilo, não concordo, não me faz bem, não é agradável, há uma dificuldade em se conectar com o benefício ou o significado daquilo que se tem que fazer. Então falta motivação positiva, que está muito associada ao que a gente chama de resposta da dopamina, esse neurotransmissor que também está presente no sistema de recompensa. 

Na procrastinação, não há esse estímulo.. Ou porque na hora eu me sinto cansada, desanimada, fatigada, deprimida, ou seja, o nível de dopamina basal é baixo e eu não tenho energia, digamos assim. Ou porque eu não vejo uma recompensa associada a esse comportamento. Mas, ela pode ser também uma motivação negativa: evitar algo, fugir, ou porque não é interessante, não te faz bem ou porque você está evitando uma resposta defensiva. 

Fale um pouco mais sobre essa motivação negativa? 

É comum em alguns casos de procrastinação um comportamento que não é porque falta motivação positiva, mas a pessoa está evitando uma motivação negativa. Então se eu tenho muito medo de não conseguir, de não saber, de falhar, de me sentir exposta, julgada, até por uma autocrítica ou crítica externa dependendo de como eu performe, eu também posso procrastinar. 

Esse é um comportamento de motivação negativo, de afastamento, de evitação, que faz com que eu procrastine aquilo pelo medo de entrar em contato com emoções desconfortáveis a partir do que pode acontecer. Então pensando em processo cerebral fisiológico, a ausência da motivação positiva ou a presença de uma motivação negativa são os fenômenos que vão determinar em grande parte esses comportamentos de procrastinação. 

Um ponto importante é que, para nós, a mente é um subproduto do cérebro, então ela tem a ver com processos, ativações cerebrais, não é algo definido, a gente não separa mente e cérebro.


Quais os malefícios da procrastinação?

Você vai ter uma série de desdobramentos. Primeiro que, se aquilo que você precisa fazer é importante, por exemplo, para sua saúde, tem um impacto direto na sua saúde. Se aquilo é importante pro seu desenvolvimento profissional ou educacional, você tem um impacto daquilo que você deixou de fazer. 


O outro ponto é que a pessoa que procrastina mais começa a ser percebida e passa por um julgamento externo que vai classificá-la como alguém que é muito enrolada, que não consegue fazer as coisas, que não termina nada. Essa pessoa pode começar a lidar não só com a própria frustração, tristeza e desafio de não conseguir seguir com aquilo que ela sabe que tem que fazer, mas também com a opinião alheia. 

E o fato é que ela até gostaria de fazer, mas não encontrou ainda a maneira de fazer, então lidar com esse fenômeno da procrastinação é começar a ter não só as próprias emoções ligadas a como ela se sente em termos de fracassar, de se sentir limitada, constrangida, mas também um julgamento externo de pessoas que talvez não entendam o que essa pessoa está passando e podem começar a estereotipar.

E aí a gente vai começando a criar quase que um reforço negativo para essa pessoa. Se todo mundo diz que você não é capaz de fazer nada, não se concentra e nem se dedica, você pode começar a acreditar nisso e sentir que realmente não consegue. Isso vai criando muitas vezes uma mentalidade fixa e uma limitação.

Todo mundo procrastina, a gente sempre faz isso e seria um comportamento normal e natural, todos os seres humanos em algum momento vão procrastinar alguma coisa. Mas, existem pessoas que vão ter grandes dificuldades de de fato conseguirem implementar coisas na sua rotina ou executar certas coisas, então são procrastinadores crônicos que estão sempre lidando com esse tipo de situação, e aí cabe até um acompanhamento psicológico. 

Há quem diga que a procrastinação pode diminuir os pequenos estresses do dia a dia. Você concorda? 

Se considerarmos que, em parte, a procrastinação pode acontecer ou pode vir por um comportamento evitativo, de fuga e para evitar o contato com emoções negativas, nesse momento talvez a pessoa que procrastinou pode sentir uma certa resposta de alívio ou de relaxamento. Mas, conforme as consequências desse ato se acumulam ou chegam, há um preço a se pagar e mais cedo ou mais tarde vai voltar e a gente vai ter que lidar com isso. 

Se essa conta não chega, a gente entende que aquilo que foi procrastinado não era tão importante ou relevante o suficiente pra não vir a ser uma necessidade no futuro, a médio e longo prazo. Mas é bom fazer essa distinção também quando a gente fala de procrastinação. Você está procrastinando alguma coisa que era pequena e que na verdade poderia inclusive ser delegada e até cancelada ou de fato está procrastinando alguma coisa que é importante e que você não está conseguindo lidar? 

Na sua opinião, a procrastinação pode estimular a criatividade?

Pensando sobre a questão da criatividade, ela tem um componente que tem a ver na verdade com o ócio criativo. Trata-se de se manter num momento de abstração e relaxamento, porém desperto, não dormindo ou se distraindo com outras coisas. Esse estado de relaxamento e distração ativa uma rede cerebral chamada DMN, que significa “default mode network". 

Essa rede muitas vezes é ativada quando você deita pra dormir, no banho, caminhando, que são momentos que esse relaxamento acontece, e ela gera novas conexões cerebrais. Portanto, ela é fundamental pro processo criativo. Então se em algum momento eu tenho tanta coisa pra fazer e decido procrastinar para relaxar, pensar na vida ou viver outras experiências e depois eu volto para resolver aquilo, isso pode criar um propício para a criatividade. 

Mas, é somente nesse contexto. A procrastinação em si como um fenômeno e um comportamento, postergar uma coisa que precisa ser feita mas não é porque eu não tenho energia, disposição, vontade, interesse em fazer aquilo - ou receio de fazer aquilo -, isso a princípio não favorece a criatividade. Até porque, esse comportamento tende a ser mais fonte de angústia do que de relaxamento e prazer.

Qual a diferença entre procrastinação e preguiça?

A procrastinação geralmente está associada a algumas tarefas específicas, inclusive uma pessoa pode procrastinar uma atividade em si, que é aquela que ela não tem motivação ou receio, mas fazer outras coisas normalmente. Geralmente, a preguiça está associada a uma indisposição, uma dificuldade em executar todas as coisas.

Se estamos falando de uma procrastinação grande, onde a pessoa não tem energia para nada e os níveis de motivação são baixos continuamente, isso é algo a ser explorado - inclusive com a ajuda de um profissional que possa dar um direcionamento. 

Porque ambos os comportamentos vão trazer impactos negativos para a pessoa, só que a preguiça é diferente daquele momento pontual onde você está cansado, teve uma semana difícil e no final de semana decide não fazer nada e só descansar, é bem diferente de alguém que lida com aquilo cronicamente.

Como driblar a procrastinação e ter mais sucesso?

Na hora que a gente entende um pouco mais do que é a procrastinação, existem algumas estratégias pra gente tentar driblar esse fenômeno. A primeira é sempre se conectar com o motivo pelo qual você está fazendo o que você está fazendo. Então você não quer fazer porque está cansado ou inseguro? 

Pensar também: por que isso é importante pra mim? Porque isso faz parte de uma trajetória, de um movimento, é um investimento. Então se conectar com aquilo que é importante pra você justifica é dá sentido ao que você tem que fazer, é uma forma de manter como se fosse um objetivo que gera motivação e que te ajuda a seguir esses comportamentos, mesmo quando eles são difíceis de serem executados, não necessariamente prazerosos e agradáveis em si. 

A gente também pode tentar associar algo que seja prazeroso. No caso de uma atividade física, trazer um amigo para fazer junto é uma maneira de tornar aquilo mais agradável durante o processo de aquisição do hábito. Ou escolher alguma alternativa mais prazerosa, com a dança, nesse caso. São pequenas estratégias. 

Você pode ainda se conectar e entender porque teme ou sente medo de realizar algo - e, nesse caso, vale muito a pena ter apoio de um profissional novamente. Por fim, uma outra forma muito importante é desmembrar um objetivo em pequenas metas. Temos naturalmente muita dificuldade em identificar ganhos de médio e longo prazo.

Então é bom não só que a gente traga motivação como parte do presente, mas que a gente também fragmente, por exemplo, as respostas. Ao invés de eu pensar “vou fazer isso todos os dias pra daqui 10 anos eu ter o resultado”, eu posso pensar “o que que eu espero ganhar em uma semana ou em um mês?”. 

Ainda que o objetivo seja somente “hoje eu quero levantar da cama cedo e dar uma volta. Amanhã meu objetivo é colocar uma roupa de ginástica e dar uma volta. Depois o meu objetivo vai ser andar por 5 minutos a mais”. Até que um dia o seu objetivo vai ser cumprido porque fazer atividade física todo dia nesse horário virou um hábito graças às pequenas metas cumpridas.

Compartilhar:


#PlenaeApresenta: Veruska Boechat e a força do amor eterno

Conheça a história de resiliência diária de Veruska Boechat, e como ela encontrou forças internas antes desconhecidas

23 de Novembro de 2020



Como encontrar forças dentro de si mesmo em meio ao luto? A jornalista Veruska Boechat é a convidada representante do pilar Mente, na terceira temporada do Podcast Plenae - Histórias Para Refletir.

Viúva desde 2019, Veruska dividiu o seu luto com o Brasil inteiro. Isso porque ela era casada com o apresentador e também jornalista, Ricardo Boechat. Mais do que perder seu marido, Veruska perdeu seu melhor amigo e também o pai de suas filhas.

Em um relato emocionante e corajoso, ela conta como era a rotina de um casamento verdadeiro, repleto de afeto e parceria. A perda, apesar de dolorosa, também trouxe alguns ensinamentos muito valiosos para ela.

É importante respeitar o silêncio do enlutado, conta ela, e também os seus momentos de alegria sem trazer o tema à tona. É preciso entender que o luto não é linear e é feito de pequenas superações todos os dias.

“Descobri que a simples presença é mais importante do que qualquer coisa que se diga. As pessoas ficam aflitas em saber o que falar. Na verdade, quanto menos falar, melhor.”

A fé também foi sua grande aliada nesse processo. Educada em Igreja Luterana, ela aceitou presentes de diferentes crenças que foram dados por pessoas especiais: salmos, cristais e até medalhinhas de santos, que não são adorados pela sua religião.

“Tenho várias amigas judias e fiquei encantada com uma tradição chamada Shivá. Nos primeiros sete dias de luto, não é pra pessoa resolver nada prático, nem cozinhar, por isso os judeus levam comida para quem perdeu alguém. O enlutado pode se dedicar a chorar as suas lágrimas e sofrer a sua dor” conta.

Veruska ainda conta como ter falado sobre o tema da morte algumas vezes em vida foi essencial para que ela soubesse exatamente tanto das burocracias quanto das vontades que ele possuía nesse momento.

“Somos uma sociedade que não fala sobre o luto, porque ninguém quer nem imaginar a possibilidade de morrer. Mas falar sobre a morte ajuda pra quem fica. Então eu digo pras pessoas: conversem sobre isso, digam o que esperam.”

Esse lindo relato você confere em todas as plataformas de streaming, na terceira temporada do Podcast Plenae - Histórias Para Refletir.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais