Entrevista com

Daiane Silva

Nutricionista com mestrado em psiquiatria

Psiquiatria do intestino: o que suas emoções falam por você?

Entrevistamos a nutricionista Daiane Silva, cuja especialização é cuidar das suas emoções para então cuidar do seu intestino.

7 de Fevereiro de 2024



O que suas emoções falam por você? Trouxemos essa pergunta no título desse artigo porque, apesar de parecer simples, há várias respostas possíveis. Já sabemos que ela pode afetar o seu corpo como um todo, as chamadas doenças psicossomáticas que te contamos aqui, e que há até mesmo problemas dermatológicos relacionados a isso - que também te contamos por aqui.

O eixo intestino-cérebro é amplamente conhecido pelos especialistas e vem trazendo cada vez mais respostas para problemas que antes pareciam insolucionáveis. O que você talvez não saiba é que há uma área inteira dedicada a isso hoje em dia: a psiquiatria do intestino. 

Formada em nutrição, com mestrado em psiquiatria nutricional pela PUCRS, especialização em medicina funcional integrativa na americana IFM (Instituto de Medicina Funcional) e título de psiquiatria pela Fapes, Daiane Silva conversou com o Plenae para explicar as miudezas dessa relação entre o nosso aparelho digestivo e as nossas emoções. 

Mais do que isso, Daiane conta de doenças que hoje, nesse resgate às medidas simples e que agradam a todos os perfis, estão trazendo mais qualidade de vida aos pacientes. Para ela, essas questões são só a ponta de um iceberg que precisa ser olhado com mais atenção, empatia e medidas descomplicadas. Confira o papo completo abaixo!

Em linhas gerais, do que se trata psiquiatria intestinal? É uma área já reconhecida? 

Trata-se de uma abordagem da área médica que olha a saúde como um todo através das respostas do nosso órgão intestino. Então a psiquiatria nutricional é o tratamento de saúde e de algumas patologias por meio do olhar sobre a microbiota intestinal. E esse tratamento usa suplementos, alguns poucos medicamentos, a nutrição, a densidade nutricional de suplementação e o alimento a favor do paciente. 

A primeira universidade fica na Austrália e foi a Dra. Felice Jacka que trouxe esse nome “psiquiatria nutricional”. No Brasil, ela está há mais ou menos 12 anos e foi reconhecida em 2021, ou seja, praticamente ontem, um ano depois do início da pandemia. Mas na Austrália foi reconhecida há 25 anos com a primeira universidade e a Jacka foi a primeira médica a introduzir o conceito, inclusive em Harvard.

Quais caminhos te levaram a essa especialidade?

Desde sempre eu queria estudar saúde, mas não sabia exatamente o quê. Desde sempre que eu digo é com 12 anos já, porque na minha família houve muitas situações de depressão e doenças decorrentes do intestino. Éramos em 4, mais ou menos, e cada visita do médico a conta só aumentava, enquanto o estado de saúde, só piorava. E aquilo ficou na minha cabeça, eu pensava “tem alguma coisa errada, porque quanto mais medicamento, mais o intestino adoece”. 

Até que eu perdi familiares com doenças sérias do intestino e pensei “Eu quero estudar saúde, mas não quero estudar medicina em si, porque os médicos que a minha família foi não deram muito certo”. Fui pra nutrição e por lá, eu logo percebi que a faculdade tratava de doenças e de dietas muito restritivas para emagrecer. Logo no início da prática clínica eu fiquei muito frustrada, porque o paciente começava um tratamento, depois voltava a engordar, e eu vi que aquilo não era saúde - e eu queria muito estudar saúde. 

Um dia, eu estava na sexta fase de nutrição, fui em um congresso e conheci um homem chamado Lair Ribeiro. Foi ali que eu descobri a palavra intestino em sua totalidade e comecei a pesquisar muito sobre o tema. Nessas pesquisas, uma nova descoberta: um mundo chamado microbiota intestinal. Na época, parecia que eu tinha encontrado um tesouro. Eu pensava “Como que eu nunca soube disso antes? Quer dizer que a gente é enganado a vida toda e tudo é intestino?”. E aí eu comecei a minha jornada de estudo.  

Qual é o perfil do paciente que te procura?

São majoritariamente mulheres de 35 anos pra cima e que têm muita dificuldade para emagrecer. Em um primeiro contato, basta perguntar se ela está fazendo cocô que a pessoa já diz não, muitas relatam ter tido constipação a vida toda, sofrer na evacuação e viver à base de laxantes. 

Então, começamos a perguntar o que mais tem por trás disso e encontramos cansaço, depressão, ansiedade, falta de energia, dificuldade em desmamar de um medicamento. Ou seja, ela vem procurar por uma dificuldade de emagrecer ou uma constipação e percebe que o intestino é tudo, que esses problemas anteriores eram só a ponta do iceberg. 

Alguns outros médicos também vão encaminhar para um profissional que aplica o tratamento do intestino quando esse paciente não está respondendo a medicação mesmo tomando há muito tempo, quando ele está tendo estufamento abdominal, ou quando ele ele observa que esse paciente está com sobrepeso ou já na obeso mas está desnutrido, não está absorvendo os nutrientes. Tudo isso é da nossa alçada.

Você não é o que você come, você é o que você absorve. Se o teu intestino não está saudável, você não vai absorver os alimentos que você come. Você pode fazer a melhor dieta do mundo, tomar a melhor e mais cara suplementação, mas se você não tiver absorção, não vai ter resultado. 

Como se avalia a microbiota intestinal? 

A avaliação começa com algumas perguntas. O formato do cocô é uma das primeiras, porque existe a escala de Bristol que traz sete formatos possíveis e a gente investiga usando ela. Só pelo formato relatado, a gente já sabe o que o paciente está passando muitas vezes. 

Junto disso, perguntamos ainda sobre a energia, horário de sono, quantas horas dorme, quantidade de eletrônicos no ambiente de trabalho e no quarto e, por fim, histórico familiar de traumas - porque o eixo intestino-cérebro está totalmente interligado a isso. Então, por exemplo, mulheres que sofreram traumas e abusos, há um número muito gigantesco entre elas que tem disbiose, pois há tendência para isso.

Então, é através dessa não absorção, dessa dificuldade de ter um resultado, que o médico encaminha e a gente faz essa avaliação intestinal, porque ela acaba sendo uma avaliação mais integral. É o todo, porque aquilo ali é a ponta do iceberg e a microbiota reserva informações muito importantes pra gente. 

Qual é a diferença dessa abordagem para a medicina tradicional?

Na medicina funcional integrativa a gente costuma olhar o ser humano como um todo. Na medicina tradicional você é composto por partes. Então os seus ossos vão ser tratados pelo ortopedista, sua dor de cabeça pelo neurologista, a sua parte íntima pela sua ginecologista. Já na medicina funcional e integrativa não, se o seu intestino não estiver funcionando, você vai ter candidíase, enxaqueca crônica, não vai absorver nutrientes e vai ter alergias alimentares. 

Nossa primeira conduta após a anamnese é ensinar o paciente a fazer o básico, que ajudaria a tratar tudo isso, mas que às vezes a gente acaba esquecendo. O integrativo é isso, é cada vez mais os profissionais estarem voltando aos seus antepassados e fazendo práticas simples que, com essa modernidade toda, foram esquecidas, e olhando para o todo. 

Inclusive, tem um questionamento que a gente sempre faz nas reuniões clínicas que é: na era onde temos mais acesso a tecnologias e estudos científicos, por que a população está cada vez mais doente? A gente leva esse paciente a se perguntar há quanto tempo ele está nesse estado, do que ele tem esquecido, porque às vezes não é sobre o que você precisa tomar, mas sobre o que você precisa deixar de lado. 

E quais seriam essas coisas?

É uma água gratuita que você pode estar esquecendo de tomar, o quarto que era apenas para descansar e de repente está povoado com tecnologia, tem um modem, um celular, uma TV, uma Alexa - tudo aquilo está roubando a sua energia e eu quero tomar um comprimido para solucionar tudo isso, quando na verdade recuperar aquela energia poderia ser mais simples. Estamos com tantas informações que a gente acaba achando que tudo é complexo. 

Mesmo em um caso mais severo, como um paciente que possui Doença de Crohn, o primeiro passo do tratamento será relativamente simples. Haverá exclusão na qual esse paciente não poderá consumir alimentos e suplementos e nem fazer o tratamento imunobiológico por alguns dias, para que essa microbiota respire. Então, se retira, por exemplo, glúten e leite, industrializados e todos os adoçantes - esse último, não pode ser consumido de nenhum tipo. 

Fez uma exclusão de mais ou menos de 5 a 6 dias, entra com uma primeira suplementação que performa conexão de intestino e sistema endócrino, porque a gente precisa desse sistema saudável para ter absorção de nutrientes que eu vou consumir. Essa suplementação dura mais ou menos 15 dias e é básica. 

Depois, se for necessário, o paciente continua com o tratamento imunobiológico ou medicamentoso. Mas, quando ele limpa seu organismo e tira todos os resíduos tóxicos que a gente acumula por muito tempo, ele absorve inclusive um tratamento medicamentoso melhor.

Existe alguma outra dica não-medicamentosa? 

O intestino gosta de coisas simples, por exemplo, comida de verdade. Hoje a gente vive uma pandemia nutricional onde a gente não consegue fruta porque tem carboidrato, não pode comer banana, manga, porque engorda. Então comida de verdade, colorida, mas não monótona. Sentir o sabor dos alimentos é muito importante, mesmo que seja uma marmita na rua, mas que seja algo que faça sentido pra mim. Quantas vezes a gente faz dieta restritiva por algum motivo, sendo que o intestino gosta de rotatividade de comida.

Outra dica são os exercícios ao ar livre, essa conexão com a natureza mais profunda, sentir a vitamina do sol sem protetor solar ou poluentes na minha pele, porque os disruptores endócrinos adoecem o intestino também. Dormir bem e sem interferências, porque eu só produzo hormônio quando eu durmo. E quais são essas interferências hormonais? Wifi, 4G, 5G, celular na altura da cabeça carregando na cabeceira da cama. A mulher está fazendo tratamento hormonal, mas está carregando o celular na cabeceira da cama, não vai ter o resultado que poderia. 

O manejo do estresse também é fundamental. Hoje em dia eu acredito que não tem como viver numa bolha sem se estressar, mas como eu faço esse manejo? Com práticas de respiração, meditação - e só de sentar em silêncio, você já está meditando. Ter um hobby que você gosta, leitura, cozinha, jardinagem, alguma prática que faça sentido, isso já é o manejo de estresse. 

É importante não se automedicar, não se auto suplementar, quantas pessoas vão uma vez ao médico, pegam uma receita e depois nunca mais repetem o exame e seguem com o mesmo tratamento? Isso tudo são práticas não-medicamentosas que melhoram a saúde do intestino. Viu como eu estou falando de estratégias simples? São simples de serem aplicadas, quase não custam dinheiro, mas a gente esquece. 

Do que se trata o sistema intestino-endócrino que você mencionou? 

Essa é uma parte muito importante. O que seriam? Produtos que nós usamos no nosso dia a dia e que inibem ou impedem que o meu intestino absorva nutrientes e atrapalham a produção de hormônios importantes para isso. Por exemplo, uma pessoa que tem doença de Crohn, tem que cuidar dessa pessoa para que ela absorva o que ela come. Mas se ela usa muitos disruptores como sabonete vaginal, creme na pele, protetor na pele, muitos cosméticos no corpo inteiro, então isso tudo vai bloqueando a absorção porque o meu corpo não respira. 

E ainda falando de mulher, porque é o perfil do meu paciente, o que ela faz logo cedo? Acorda e já passa um desodorante cheio de alumínio, protetor solar, creme no corpo, óleo corporal, creme nos pés e nas mãos, esmalte… Isso não deixa espaço pro nosso corpo respirar. Então quando se fala em psiquiatria nutricional, nada mais é do que você ser você mesma, na sua essência, sem muita informação. Criar pausas durante a semana, pra você ficar sem maquiagem, cabelo lavado, sem protetor térmico ou creme corporal, deixar o nosso corpo ser a sua essência mesmo, isso ajuda muito a recuperar a microbiota intestinal. 

E nesse caso, há suplementação específica?

Só pra citar um exemplo muito simples do que o eixo intestino-sistema endócrino e intestino-cérebro se conectam: glutamina, ômega 3, coezima Q-10, cúcruma, são suplementos simples, de fácil acesso, não têm efeito colateral e qualquer aluno poderia tomar, mesmo quem tem diabetes, pessoas muito jovens, mulheres na menopausa, todos. 

É uma suplementação simples porque o meu intestino e o seu têm a mesma necessidade, eu provavelmente tive mais inflamação pela idade do que alguém mais jovem, mas vamos supor que aos 20 anos você teve um trauma muito grande de dor, o eixo intestino-cérebro recebe como uma bomba e nesse sistema de dor ativa uma enzima tóxica, a monoamina, que começa a inibir a absorção de nutrientes. 

Então às vezes seu corpo vai dando sinais muito simples, por exemplo, comer algo e não passar bem, e aí você se dá conta de que depois de uma dificuldade, algumas coisas foram aos poucos se tornando mais difíceis. Porque é isso, sempre quando a gente não olha, a conta vai chegar. 

Por fim, podemos falar sobre eixo intestino-cérebro?

Não existe um tratamento eficaz em depressão, ansiedade e até obesidade sem falar em emoção e em eixo intestino-cérebro. Então quando eu tenho uma dor emocional, uma mulher que não perdoa, não acessa esse trauma que ela viveu na vida, ela não consegue ter performance na sua saúde. 

Dentro do meu curso tem um módulo chamado detox emocional, onde por meio de algumas perguntas que eu faço pras minhas alunas sobre momentos da sua vida, elas voltam em situações que elas viveram. E eu conduzo elas com uma pergunta, uma conversa, a ressignificar isso. Então se você não tivesse passado por isso, como seria? Eu passei uma dor de saúde na minha família, mas isso me levou a minha profissão, a eu ajudar muito as pessoas. 

O paciente ressignifica esse trauma e dá um novo sentido pra vida, e isso vai ajudando a produzir hormônios como ocitocina, aumentando níveis de cortisol e baixar hormônios que inflamam. É muito comum você ver mulheres que não perdoam, que não conseguem se desvincular de dores do passado, e estão sempre com imunidade baixa. Quando você acessa essa emoção e consegue olhar sob outra perspectiva, isso te gera um sentimento de conquista. 

Então o emocional é um pilar muito importante. Se você me perguntasse três pontos importantes do tratamento do intestino com a psiquiatria, eu diria comer comida de verdade, coisa que estamos esquecendo porque achamos que tudo tem que ser low carb e suplementação proteica é o primeiro.

O segundo é acessar emoções que te causaram dor e dar um novo sentido a elas - e cada um vai saber o que fazer; e o terceiro seria descansar e dormir, porque hoje somos ensinados a ter que dar conta e a gente está esquecendo que o corpo precisa descansar. Só com esses pontos a vida muda bastante e o paciente já começa a dar um grande start no manejo da sua saúde.  

Compartilhar:


#PlenaeApresenta: Alexandra Loras e a apropriação de sua própria história

O Plenae Apresenta a história de Alexandra Loras, representante do pilar Propósito na décima terceira temporada do Podcast Plenae!

23 de Outubro de 2023



O propósito nem sempre está claro, diante de nossos olhos. Apesar de ser importantíssimo para uma jornada com mais significado, muitas vezes é preciso um esforço intencional para encontrá-lo. Além disso, não temos apenas uma missão de vida: assim como mudamos com o passar dos anos, nosso propósito também. 

No caso de Alexandra Loras, representante do pilar Propósito, ela levou alguns anos para descobrir o seu porquê, o que a movia, e mais anos ainda para aceitar que ele havia mudado e que agora era necessário recalcular a rota. Mas, vamos começar do começo: como foi ser uma negra em meio a uma família branca. 

Filha de um pai negro e uma mãe branca, Alexandra conheceu a face dura do racismo ainda na infância, no lugar que deveria ser o mais seguro possível: seu próprio lar. “Eu sofria racismo dentro de casa. Um dos meus padrastos falava para meus irmãos coisas como: ‘Vocês não acham que a Alexandra tem cor de cocô?’. Do meu avô, eu ouvi: “Não quero que você saia, porque é perigoso lá fora, tem negros e árabes”. Ele talvez não me enxergou como uma negra, nem percebeu que aquela frase era ofensiva”, relembra. 

A única negra entre cinco filhos, ela foi a que mais se destacou e decolou sua carreira. Ainda criança, agarrou todas as oportunidades que lhe foram apresentadas e usava tudo ao seu favor para crescimento pessoal. Mas, a batalha contra a exclusão que sofria no próprio ambiente escolar acabou vencendo. 


"Eu sofri muito com racismo na escola. Eu não era convidada pras festas de aniversário, por exemplo. Até que eu não aguentei mais. A dor do racismo e a dor de estudar num colégio extremamente competitivo me fizeram largar tudo. Eu pedi pra minha mãe pra morar fora da França. Aos 16 anos, fiz um intercâmbio como au pair na Alemanha, na Inglaterra e nos Estados Unidos. Eu trabalhava como babá 5 horas por dia, em troca de moradia, alimentação e uma ajuda de custo", relembra. 


Essa experiência expôs mundo antes nunca transitado pela menina que cresceu na periferia de Paris, longe de onde o turismo consegue chegar. Um novo mundo se abria para Alexandra que, novamente, passou a observar e incorporar tudo, sorvendo de cada detalhe para sua própria evolução pessoal. 

Sua carreira decolou, mas havia ainda um impeditivo: ela própria. Lutando contra uma síndrome de impostora que parecia querer vencer sempre, ela teve que focar agora não mais em crescer somente profissionalmente, mas estar disposta a mergulhar em uma jornada de autoconhecimento que a faria alcançar lugares internos muito profundos.  aprendeu a transitar em ambientes onde ela nunca tinha imaginado. 

Em sua vinda para o Brasil, mais uma etapa dessa jornada de redescobertas: aqui, Alexandra entendeu o que era ser negra. "Foi aqui que eu descobri a minha negritude numa escala diferente. Eu senti todo o significado de ser uma mulher negra. Eu muitas vezes fui confundida como babá e barrada na portaria de um Clube em São Paulo. Seguranças de supermercado me seguiam enquanto eu escolhia produtos importados. Nas minhas próprias recepções, muitos convidados passavam direto sem me cumprimentar na porta. Achavam que eu era a governanta do cônsul", relembra. 


Como ela superou essa dor e o que ela fez com a força dessa superação é o desfecho que você confere ao final do episódio. Ouça com o coração e a mente aberta. Abdique de seus velhos preconceitos e entenda que essa jornada é de todos nós. Aperte o play e inspire-se!

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais