Para Inspirar

Estamos menos amigáveis?

No Dia Internacional da Amizade, fomos investigar porque parecemos ter menos amigos atualmente

20 de Julho de 2023


Com o passar do tempo, ficam os poucos e bons amigos. Sempre ouvimos isso dos mais velhos na juventude, quando as amizades eram tantas para alguns que pareciam perder-se de vista. Esse cenário parece estar mudando mesmo para os adolescentes, como conta essa pesquisa, mas, com o passar dos anos, realmente a lista parece ficar menor e mais escassa. 

Isso se dá em partes porque vamos tendo mais tempo para nos dedicarmos a elas e também porque não temos mais a “obrigatoriedade” de nos vermos como quando estamos em uma escola ou faculdade, por exemplo. Além disso, nossos interesses mudam e boa parte dos colegas de antigamente podem perder o sentido também. 

Por fim, houve ainda uma pandemia sem precedentes na história da humanidade em um passado recente: há pouco mais de dois anos, estávamos todos enclausurados, sem contato físico e exaustos de tela. Esse período sombrio virou artigo por aqui também.


Relações, aliás, é um dos pilares que sustentam a filosofia Plenae, e amizades são parte importantíssima dessa composição que faz tão bem a nossa saúde. Não fazer amigos, aliás, afeta o organismo, envelhece o cérebro e desfavorece o bem-estar na maturidade - como te contamos aqui. Mas, como também te contamos aqui, é a qualidade desses laços e não a quantidade, que vai te trazer reais benefícios. 

Dá pra contar na mão?

Aquela ilusão de que o brasileiro é muito popular e cheio de amigos nada mais é do que um estereótipo e, como todo estereótipo, está suscetível a estar errado. Um levantamento conduzido no país pelo Instituto Locomotiva, entrevistou 1.682 participantes com idades de 18 a 77 anos. 

A conclusão mostrou que a qualidade da rede de relacionamentos dos brasileiros é baixa e que a insatisfação nas interações sociais prevalece, como conta artigo no jornal Folha de São Paulo. A pesquisa ainda indicou que interações presenciais nos fazem mais felizes e favorecem a construção de uma rede mais ampla de relacionamento, o que dificulta ainda mais em tempos tão conectados. 

Os resultados apontam, por fim, que um quarto da população tem uma rede empobrecida e não se sente próxima de ninguém. A pesquisa, porém, foi feita de forma online e levou em consideração uma amostra balanceada, de acordo com critérios sociodemográficos.

"A migração das relações pessoais para o ambiente digital não contribui para a formação de laços interpessoais satisfatórios e de longo prazo”, diz o neurocientista e sócio do Instituto Locomotiva, Álvaro Machado Dias, ao jornal. Vale dizer que essa pesquisa surgiu de uma outra investigação: a de que o Brasil possui a maior taxa de ansiedade do mundo. 

"Isto gera uma espécie de normalidade psicopatológica, caracterizada por baixa confiança interpessoal. De acordo com o Latinobarómetro, apenas 5% das pessoas confiam em desconhecidos no país, é o menor índice da América Latina e um dos menores do mundo", disse.

Antipatia? Não, insegurança!

A pesquisa que mencionamos é tão completa e plural que traz dados ainda sobre a desconfiança do brasileiro. Dois terços da população agem de forma diferente com quem não conhece, indicando uma forte distinção entre pessoa pública e privada na vida dos entrevistados. 

Desses, 42% disseram também sentir desconforto extremo na interação com desconhecidos. Álvaro acredita que essa resposta social se dá devido a uma combinação de fatores como medo da violência, desigualdade social com componentes racistas e visão pouco lisonjeira do caráter do outro.

Outros fatores que podem contribuir para esse afastamento são: 

  • Excesso de trabalho 

  • Falta de aparelhos sociais que estimulem a convivência

  • Polaridades políticas 

  • Virtualização relacional excessiva

  • Redes sociais e games que podem nos deixar mais presos a uma “bolha”

  • Grupos já pré-formados que não se abrem para novos

Nesse último caso, quem já possui uma rede ampla de relacionamentos apresenta maior satisfação na interação com desconhecidos. Aqueles com menos relacionamentos ou mais superficiais, por sua vez, têm um descontentamento mais latente mesmo quando está com pessoas que conhece, indicando que a baixa qualidade da rede afeta também a percepção geral.

Pega a solidão e dança

Como cantou Marcelo Camelo, se você ficar sozinho, pega a solidão e dança. É claro que, como mencionamos no começo deste artigo, a falta de amigos pode ser até mesmo nociva para a sua saúde. Mas, é importante que elas tenham qualidade, e não se tornem meramente relacionamentos tóxicos para fazer número. 

Afinal, você pode escolher ficar sozinho e curtir a solitude - termo que te contamos em um dos artigos mais lidos do nosso portal até hoje. Nem todos dominam espontaneamente a arte de saber ficar só e curtir a sua própria companhia, mas ela pode ser construída todos os dias um pouco, com a ajuda de psicoterapia e um esforço intencional do indivíduo, por exemplo. 

É essa movimentação, aliás, que irá distinguir a solitude da solidão: enquanto na primeira há uma paz envolvida com o estar só, a segunda há tristeza e, geralmente, não partiu de uma escolha daquela pessoa. Se é mais difícil fazer amigos na vida adulta, como conta esse artigo, está na hora de estreitar laços consigo mesmo. 

Por fim, em meio a essa solidão, perceba se você mesmo não está se afastando por algum motivo maior e como você pode modificar essa situação. Neste artigo te ensinamos como ter amizades mais próximas e, neste outro, te ensinamos a fazer novos amigos, afinal, isso pode ser o segredo do seu sucesso também. O importante é estar atento ao tema como um pilar importante para a sua vida!

Compartilhar:


Para Inspirar

A décima temporada do Podcast Plenae está no ar!

Prepare-se para mergulhar novamente em seis histórias incríveis, representando cada um dos nossos seis pilares!

29 de Outubro de 2022


Dez edições! Isso mesmo: chegamos a décima edição do Podcast Plenae - Histórias para Refletir, em uma jornada linda e repleta de mergulhos iniciada em junho de 2020. Para celebrar essa trajetória, ainda esse ano convocamos nossa comunidade para dividir com a gente suas histórias para refletir.


Após um longo e criterioso processo de seleção, chegamos aos seis nomes que irão compor essa temporada. Dessa vez, não serão personagens famosos, mas igualmente inspiradores, todos parte da comunidade Plenae!


Conheça a história da artista Haikaa, que abre essa temporada representando o pilar Contexto e falando sobre as várias mudanças geográficas de sua vida e como isso impactou sua personalidade e seu culminou em quem ela é hoje. Também conheceremos na sequência, representando o pilar Espírito, a história do empreendedor Felipe Dib, que transformou suas tragédias pessoais em aprendizado e gratidão.


Em Relações, mergulhamos de mãos dadas com Thaís Bastos em sua história de depressão pós-parto, tema delicado e muito importante de ser debatido. Regina Ramos, a psicóloga que se tornou paciente, é quem rege o pilar Mente nessa edição e narra os aprendizados que o câncer de estômago trouxe para sua vida.


Mochila nas costas: é hora de viajar com Tiago Silva, o criador do Mochileiros pela Educação. Representando o pilar Propósito, ele relembra as dificuldades da infância e como isso serviu de combustível para que ele pudesse mudar outras realidades difíceis como a sua com a ajuda dos livros!


Finalizamos a décima temporada com o pilar Corpo e a história de Paula Pfeifer. Ela, que perdeu sua audição progressivamente, encontrou na escrita uma forma de se aceitar, desabafar e inspirar outras pessoas. Todos esses episódios contam com as reflexões finais do ilustre filósofo Leandro Karnal, para deixar o que já era bom melhor ainda!


É hora de colocar os seus fones mais uma vez e entrar nessa jornada sem olhar para trás, com os ouvidos e coração abertos. Entregue-se às narrativas que podem conversar com a sua própria vida mais do que você imagina. Aprenda. Inspire-se!

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais