Para Inspirar

Estamos menos amigáveis?

No Dia Internacional da Amizade, fomos investigar porque parecemos ter menos amigos atualmente

20 de Julho de 2023


Com o passar do tempo, ficam os poucos e bons amigos. Sempre ouvimos isso dos mais velhos na juventude, quando as amizades eram tantas para alguns que pareciam perder-se de vista. Esse cenário parece estar mudando mesmo para os adolescentes, como conta essa pesquisa, mas, com o passar dos anos, realmente a lista parece ficar menor e mais escassa. 

Isso se dá em partes porque vamos tendo mais tempo para nos dedicarmos a elas e também porque não temos mais a “obrigatoriedade” de nos vermos como quando estamos em uma escola ou faculdade, por exemplo. Além disso, nossos interesses mudam e boa parte dos colegas de antigamente podem perder o sentido também. 

Por fim, houve ainda uma pandemia sem precedentes na história da humanidade em um passado recente: há pouco mais de dois anos, estávamos todos enclausurados, sem contato físico e exaustos de tela. Esse período sombrio virou artigo por aqui também.


Relações, aliás, é um dos pilares que sustentam a filosofia Plenae, e amizades são parte importantíssima dessa composição que faz tão bem a nossa saúde. Não fazer amigos, aliás, afeta o organismo, envelhece o cérebro e desfavorece o bem-estar na maturidade - como te contamos aqui. Mas, como também te contamos aqui, é a qualidade desses laços e não a quantidade, que vai te trazer reais benefícios. 

Dá pra contar na mão?

Aquela ilusão de que o brasileiro é muito popular e cheio de amigos nada mais é do que um estereótipo e, como todo estereótipo, está suscetível a estar errado. Um levantamento conduzido no país pelo Instituto Locomotiva, entrevistou 1.682 participantes com idades de 18 a 77 anos. 

A conclusão mostrou que a qualidade da rede de relacionamentos dos brasileiros é baixa e que a insatisfação nas interações sociais prevalece, como conta artigo no jornal Folha de São Paulo. A pesquisa ainda indicou que interações presenciais nos fazem mais felizes e favorecem a construção de uma rede mais ampla de relacionamento, o que dificulta ainda mais em tempos tão conectados. 

Os resultados apontam, por fim, que um quarto da população tem uma rede empobrecida e não se sente próxima de ninguém. A pesquisa, porém, foi feita de forma online e levou em consideração uma amostra balanceada, de acordo com critérios sociodemográficos.

"A migração das relações pessoais para o ambiente digital não contribui para a formação de laços interpessoais satisfatórios e de longo prazo”, diz o neurocientista e sócio do Instituto Locomotiva, Álvaro Machado Dias, ao jornal. Vale dizer que essa pesquisa surgiu de uma outra investigação: a de que o Brasil possui a maior taxa de ansiedade do mundo. 

"Isto gera uma espécie de normalidade psicopatológica, caracterizada por baixa confiança interpessoal. De acordo com o Latinobarómetro, apenas 5% das pessoas confiam em desconhecidos no país, é o menor índice da América Latina e um dos menores do mundo", disse.

Antipatia? Não, insegurança!

A pesquisa que mencionamos é tão completa e plural que traz dados ainda sobre a desconfiança do brasileiro. Dois terços da população agem de forma diferente com quem não conhece, indicando uma forte distinção entre pessoa pública e privada na vida dos entrevistados. 

Desses, 42% disseram também sentir desconforto extremo na interação com desconhecidos. Álvaro acredita que essa resposta social se dá devido a uma combinação de fatores como medo da violência, desigualdade social com componentes racistas e visão pouco lisonjeira do caráter do outro.

Outros fatores que podem contribuir para esse afastamento são: 

  • Excesso de trabalho 

  • Falta de aparelhos sociais que estimulem a convivência

  • Polaridades políticas 

  • Virtualização relacional excessiva

  • Redes sociais e games que podem nos deixar mais presos a uma “bolha”

  • Grupos já pré-formados que não se abrem para novos

Nesse último caso, quem já possui uma rede ampla de relacionamentos apresenta maior satisfação na interação com desconhecidos. Aqueles com menos relacionamentos ou mais superficiais, por sua vez, têm um descontentamento mais latente mesmo quando está com pessoas que conhece, indicando que a baixa qualidade da rede afeta também a percepção geral.

Pega a solidão e dança

Como cantou Marcelo Camelo, se você ficar sozinho, pega a solidão e dança. É claro que, como mencionamos no começo deste artigo, a falta de amigos pode ser até mesmo nociva para a sua saúde. Mas, é importante que elas tenham qualidade, e não se tornem meramente relacionamentos tóxicos para fazer número. 

Afinal, você pode escolher ficar sozinho e curtir a solitude - termo que te contamos em um dos artigos mais lidos do nosso portal até hoje. Nem todos dominam espontaneamente a arte de saber ficar só e curtir a sua própria companhia, mas ela pode ser construída todos os dias um pouco, com a ajuda de psicoterapia e um esforço intencional do indivíduo, por exemplo. 

É essa movimentação, aliás, que irá distinguir a solitude da solidão: enquanto na primeira há uma paz envolvida com o estar só, a segunda há tristeza e, geralmente, não partiu de uma escolha daquela pessoa. Se é mais difícil fazer amigos na vida adulta, como conta esse artigo, está na hora de estreitar laços consigo mesmo. 

Por fim, em meio a essa solidão, perceba se você mesmo não está se afastando por algum motivo maior e como você pode modificar essa situação. Neste artigo te ensinamos como ter amizades mais próximas e, neste outro, te ensinamos a fazer novos amigos, afinal, isso pode ser o segredo do seu sucesso também. O importante é estar atento ao tema como um pilar importante para a sua vida!

Compartilhar:


Para Inspirar

'Não existe apenas um único tipo de dieta saudável', diz Michael Pollan

Em novo livro, o escritor americano diz que viajar pode ser algo capaz de alimentar o corpo e a alma

15 de Julho de 2019


O escritor, ativista e guru da gastronomia Michael Pollan continua a explorar a relação entre a identidade humana e a comida em seu novo livro, How to Change Your Mind (Como Mudar Sua Mente, em tradução livre), no qual argumenta que experiências psicodélicas, tal qual o ato de viajar pelo mundo, podem ser algo capaz de alimentar o corpo e a alma.

Famoso por mantras como "Coma comida. Não muito. Principalmente plantas", o autor de O Dilema do Onívoro e Em Defesa da Comida (ambos da editora Intrínseca) explica como as pessoas podem seguir esse princípio quando viajam e discute como uma viagem é capaz de mudar nossa perspectiva do mundo.

BBC Travel - Por que viajar é bom para quebrar preconceitos e mudar mentes?
Pollan -
A neurociência mostra que nossos cérebros são máquinas de fazer previsões, que não registramos o mundo por meio de nossos sentidos em si, mas formulamos previsões baseadas na menor quantidade de informação possível. Viajar é como uma experiência psicodélica, porque vai contra essas previsões e nos obriga a obter mais informações - sensoriais ou não.

Começamos do zero em um lugar desconhecido, como uma criança quando deve absorver uma grande quantidade de informações, porque os atalhos da nossa percepção cotidiana - "já fui ali, já fiz isso" - não estão disponíveis. Isso nos abre para a experiência, cria a possibilidade de admirarmos algo ou nos maravilharmos com alguma coisa.

BBC Travel - Em suas viagens, quais foram alguns dos rituais ou crenças mais memoráveis com você se deparou?
Pollan -
Para mim, os rituais e crenças mais memoráveis ocorreram em torno da comida - todas as "práticas estranhas" e os alimentos que as pessoas apreciam e que eu não teria pensado em preparar ou ingerir. Então, tenho como regra experimentar a culinária local onde quer que eu esteja - seja comer formigas no Brasil ou no México ou um tofu fedorento na China. Às vezes, me deparo com algo com que tinha um preconceito e que acaba se revelando delicioso. Às vezes, não é, e fico maravilhado com as idiossincrasias do comportamento humano ao selecionar alimentos.

BBC Travel - Você é conhecido pelo mantra "Coma comida. Não muito. Principalmente plantas". Como as pessoas podem seguir esse princípio quando viajam?
Pollan - A palavra mais controversa que já escrevi é "principalmente", nessa frase. Isso irrita os vegetarianos, porque pensam que eu não estou apoiando seu ponto de vista, e também quem come carne, porque soa como um insulto aos seus hambúrgueres. Ficamos incomodados com advérbios como esse. Ficamos incomodados com a moderação.

Nós realmente queremos uma conclusão sólida: não coma carne ou coma todo tipo de carne, e acho isso errado. Em geral, tento comer os alimentos locais quando viajo, pela experiência e novidade, e muitas vezes a parte da moderação desaparece. Mas a pergunta a ser feita nesta ocasião é: O que é comida neste lugar? Qual é a dieta tradicional? E então experimente isso.

As chances são grandes de que seja uma dieta saudável, porque as dietas tradicionais são saudáveis por definição - elas mantiveram as pessoas vivas por muito tempo. Quanto às plantas, existem uma variedade limitada de animais de carne, enquanto há uma infinidade de plantas, então, é muito provável que você tenha novas experiências alimentares se explorar as frutas e verduras de um lugar em vez de suas carnes.

BBC Travel - A comida é indiscutivelmente parte da cultura de um lugar como a língua ou a religião. O que comer ao redor do mundo ensinou sobre pessoas e lugares diferentes?
Pollan -
Isso tem sido uma forma poderosa de me lembrar que humanos são uma das poucas criaturas verdadeiramente onívoras que a evolução produziu. Esta qualidade é precisamente o que nos permitiu prosperar em seis dos sete continentes, criando belas culinárias a partir do que a natureza tem para oferecer em qualquer lugar do planeta. Isso definiu nossa espécie e moldou nosso destino.

Contexto é tudo. Nós tendemos a olhar para a comida como boa ou ruim. Mas você não pode separar o nutriente da comida, porque a comida tem uma estrutura. E você não pode separar a comida da dieta e a dieta da cultura e do estilo de vida. Todas essas coisas estão conectadas. Então, afirmar que uma comida é boa ou ruim é algo difícil de fazer.

Mas há exceções: refrigerante é uma delas, porque é basicamente açúcar puro processado. Não há uma única dieta saudável. Essa é a principal lição de estudar a dieta de forma transcultural. Você vê que as pessoas são saudáveis com uma enorme variedade de alimentos. Nós somos onívoros.

Os seres humanos criaram, por tentativa e erro, um número quase infinito de dietas saudáveis, construídas a partir de qualquer coisa que a natureza ofereça onde quer que vivam. Baseadas no que está disponível, no que funciona e é considerado bom por estas pessoas - não em marketing, moda ou ciência de alimentos. A única exceção é a dieta ocidental moderna, que deixa as pessoas doentes.

BBC Travel - Quais são alguns dos costumes culinários mais memoráveis, tradições ou hábitos que você experimentou e o que você acha que cada um deles diz sobre as pessoas que os praticam?
Pollan - Fiquei impressionado com a universalidade do nojo, enquanto emoção humana, e pela multiplicidade de alimentos que o evocam. Por exemplo, os chineses ficam tão enojados com queijo quanto nós por coisas podres. Na verdade, o queijo é uma espécie de leite podre, mas é claro que não o vemos assim.

Mas os chineses deixam o tofu apodrecer até ficar tão fedido que não pode servi-lo dentro de casa - e isso é uma iguaria! O mesmo ocorre com os coreanos com o kimchi. As culturas costumam celebrar esses alimentos "nojentos" mais do que quase qualquer outro, porque eles as definem. Somos comedores de kimchi ou comedores de tofu fedorentos. O que enoja os outros nos enche de orgulho. Quão estranho é isso?!

BBC Travel - De que outra forma a viagem mudou você?
Pollan -
Assim como ao usar uma droga psicodélica, a viagem relativiza a consciência e as experiências comuns e faz com que você aprecie que haja tantas maneiras de viver.

BBC Travel - Qual é um bom motivo para amar o mundo agora?
Pollan - É o único que temos.

Fonte: Alexander Bisley, para BBC
Síntese: Equipe Plenae.
Leia o artigo completo aqui.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais