Parada obrigatória

Finais, recomeços e aprendizados

O que foi falado no Plenae em agosto

31 de Agosto de 2021


Se tivéssemos que definir agosto em uma só palavra, certamente seria aprendizado. Nesses últimos 30 dias, começamos, finalizamos e recomeçamos tantas coisas boas por aqui, sem deixar de trazer conteúdos educativos que buscam melhorar ainda mais sua vida, como sempre.

Iniciamos com mais um novo Plenae (a)prova, dessa vez, focado em uma atividade nossa cotidiana, mas por vezes, bastante negligenciada: o sono. Pautados pelos métodos propostos no livro “Por que nós dormimos?”, do neurocientista Matthew Walker, fizemos uma higienização do nosso descanso, entre outras melhorias que pudessem trazer mais qualidade para esse momento do dia. 

Contamos pra você, todo domingo nos nossos stories, a evolução do teste. Além disso, no meio do mês, fizemos um balanço de como estava indo a tarefa por aqui. Ao final, publicamos o nosso já conhecido diário de bordo com a conclusão, que podemos te adiantar: foi muito satisfatória! 


E se o assunto é o nosso sono, fizemos um Plenae Apresenta todo dedicado a ele! Trouxemos para você as conclusões mais importantes do Ted Talks ministrado por ele, Matthew Walker novamente! De forma lúdica e animada, o especialista nos explica o quanto uma noite mal dormida pode verdadeiramente afetar as nossas emoções e o que fazer a respeito disso. Dá pra perceber que ele é referência no assunto, né?

É um fato que iremos enfrentar problemas em nossa vida - não há quem possa fugir disso. E isso pode ir desde os menores e mais maleáveis - como o sono, que acabamos de mencionar -, quanto os de maior magnitude. Para todos eles, é preciso vivenciá-los de cabeça erguida e fazer um esforço a mais para conseguir extrair aprendizados. 
#PlenaeDicas com Rabino Michel pode te ajudar nessa missão! Com uma voz suave e seu temperamento bondoso, Michel revela que no começo da pandemia, achou estranho rezar em frente a uma câmera, mas que se adaptou quando percebeu que sua palavra estava atingindo muito mais gente do que os números de frequentantes das sinagogas.

Com esse aprendizado e outros, ele percebeu que é possível absorver muito em tempos de crise, que tendem a acelerar algumas mudanças que já aconteceriam em algum momento. Mas, para conseguir extrair esses ensinamentos, é preciso estar focado, de coração aberto, e entender que muito do que passamos é coletivo, portanto, é preciso verdadeiramente dar as mãos aos seus semelhantes.

E quer maior aprendizado do que ter um filho? Em homenagem ao Dia dos Pais, entrevistamos ninguém mais, ninguém menos, do que ele, o pai do Plenae e de seus outros 6 filhos: Abilio Diniz. Muito se fala sobre a sua faceta de empresário, mas o que ele pode nos ensinar sobre família? Confira esse papo aqui! 

Outra entrevista que figurou por aqui nesse mês foi com as chamadas It Avós! Entrevistamos Mireia e Rosângela, duas mulheres maduras potentes e com presença expressiva nas mídias sociais, para absorver um pouco mais de seus conselhos também no que diz respeito à família - mas não só sobre isso. 

Abordamos, novamente, a temática da toxicidade, dessa vez, por duas vias. A primeira delas foi investigar o que é o termo “doomscrolling”. Ele se refere àquele vício em ficar se alimentando de notícias negativas sem parar, que todos nós já vivenciamos em alguma medida e faz muito mal para nossa saúde.

A segunda via que utilizamos para abordar o tema foi falando sobre ambientes de trabalhos tóxicos. O que são? De que maneira nos afeta? Como reconhecê-los e o que fazer a partir disso? Você descobre a resposta para todas essas questões aqui!

Lembra que falamos de finais e recomeços logo no começo dessa singela newsletter? Pois bem: começamos e terminamos mais um Plenae Drops, nosso querido canal de vídeos-pílulas lá no Instagram, disponível também em nosso site. 

O tema dessa edição foi rotina, e para somar no assunto, convidamos Fernando Scherer, Telma Abrahão, Pedro Pacífico, Luciana e Eva da It Brands e o Leonardo Blagevitch! 

Também te enviamos uma newsletter especial e “fora de época” para te contar sobre o nosso site, que está de cara nova. Mais bonito, mais intuitivo, mais organizado e mais interativo, te oferecendo duas formas diferentes de experimentá-lo. Conta pra gente o que você achou?

Encerramos o mês com mais um novo recomeço: a sexta temporada do Podcast Plenae! O formato você já conhece: são seis episódios imersivos, cada um representando um de nossos seis pilares. As reflexões dessa temporada serão guiadas pela incrível psicanalista Vera Iaconelli.

E o episódio de estreia fica por conta do empreendedor social Eduardo Lyra, criador da ONG Gerando Falcões e representante do pilar Propósito. Como uma infância carente o ajudou a escrever o que queria para seu futuro? É o que você descobre apertando o play, no seu streaming de preferência e também no nosso site.

Nos despedimos por aqui, mas apenas brevemente. Fique ligado em nossas redes sociais para não perder nenhum novo episódio e seus conteúdos relacionados. Nos vemos em 30 dias.

Compartilhar:


Entrevista com

Marília Berzins

Assistente Social

Todo mundo quer viver muito, mas ninguém quer ficar velho

6 de Maio de 2019



Ter consciência de que envelhecemos desde o nascimento é um dos passos para vencer o preconceito etário, segundo a assistente social, especialista em gerontologia e doutora em saúde pública Marília Berzins, presidente do OLHE observatório da longevidade humana e envelhecimento. A visão negativa da velhice é um dos motivos pelos quais os idosos brasileiros são mal cuidados, tanto pelo Estado quanto pela sociedade. 

Em que momento devemos parar para pensar na nossa própria velhice? Nós começamos a envelhecer quando nascemos. Precisamos ter consciência disso desde a pré-escola, não quando estamos com 59 anos e 11 meses. Todo mundo quer viver muito, mas ninguém quer ficar velho. Quando éramos crianças, todo mundo nos perguntava: o que vai ser quando crescer? A pergunta que faço é: o que você vai ser quando ficar velho? A velhice é uma grande conquista humana. Nessa fase da vida, podemos continuar trabalhando e servindo a sociedade. 

Os velhos brasileiros estão sendo bem cuidados?Os velhos brasileiros não estão sendo bem cuidados, sobretudo pelo Estado, que não reconhece que o país já envelheceu e terá cada vez mais idosos e portanto, oferecer políticas públicas que atendam as necessidades deste segmento. O sistema de seguridade social, composto por saúde, assistência e previdência, deveria promover políticas adequadas para atender esse segmento etário. A sociedade também não trata bem os idosos, pois ainda associa velhice com incapacidade, pobreza e dependência. O cuidado sobra para as famílias, que fazem o que podem. 

Quem deve cuidar dos idosos: o Estado ou a família? Em primeiro lugar, é preciso esclarecer que nem todo idoso precisa de cuidado. As pessoas têm medo de envelhecer, porque não querem ficar dependentes. No entanto, pesquisas mostram que 25 a 30% dos velhos necessitam de ajuda de terceiros. Nesses casos, a responsabilidade cabe a um conjunto de atores, a começar pelo Estado, porque envelhecer com dignidade é um direito humano fundamental. Mas a família, a sociedade e o próprio idoso também têm sua responsabilidade no processo do envelhecimento. 

De que maneira o idoso é responsável pelo seu próprio cuidado? A velhice é uma poupança na qual investimos a vida inteira. Bons hábitos são determinantes para envelhecer bem. Se eu sei que a saúde é um fator importante, posso fazer atividade física, ter uma boa alimentação e administrar o estresse. Não preciso esperar a ação do Estado para não comer tudo que tenho vontade no restaurante por quilo. Entretanto, a velhice é uma questão social também. O lugar que definimos que a pessoa idosa terá na sociedade também interferirá na sua velhice. Além disso, gênero, raça, etnia e renda são outros fatores que determinam a velhice. 

Em geral, esposas e filhas assumem a responsabilidade pelo cuidado das pessoas mais velhas da família. Como romper esse padrão e ter uma divisão igualitária entre os gêneros? Na sociedade, quem tem que cuidar do idoso é a família que se personaliza na pessoa da mulher. Pesquisas mostram que as idosas cuidam de seus maridos e mães, mesmo sem ter condição para isso. O cuidado é um princípio de valor humano, tanto de homens quanto de mulheres. A família, a sociedade e o Estado têm de assumir o seu papel e parar de delegá-lo para o sexo feminino. O que está faltando a responsabilização do Estado na oferta de políticas de cuidados. O Estado não está fazendo a sua parte na co-responsabilização dos cuidados, o que tem sobrecarregado muito as famílias que mudaram na sua estrutura. 

Em um contexto social de famílias menores, quem cuida dos velhos? A taxa de fecundidade atual é de 1.7 filho por mulher. As famílias vão ficar velhas e não terão filhos para cuidar delas. Por isso, nossa população precisa desconstruir a ideia da família cuidadora e considerar outras formas de moradia e cuidado. Há uma rejeição às instituições de longa permanência, mas elas podem ser um espaço que proporciona bons cuidados e convivência entre as pessoas. Outras possibilidades são repúblicas para idosos e cohousing. Podemos juntar amigos da mesma faixa etária em um lugar, onde alguém gerencia a limpeza e as compras. O mercado imobiliário já está começando a ficar atento para isso. 

Temos cuidadores suficientes e treinados para os idosos? Nós nem sequer sabemos quantos cuidadores existem no país. Embora a ocupação seja reconhecida pelo Ministério do Trabalho, ela ainda não foi criada como profissão pelo Congresso Nacional. Muitos cuidadores são registrados como empregados domésticos, embora não façam parte dessa categoria. Portanto, não sabemos quantos são. Entretanto, os cuidadores e cuidadoras já são uma realidade no cenário do envelhecimento. Cada vez mais as famílias e instituições precisarão destes profissionais do cuidado. 

Quem são os idosos mais vulneráveis da sociedade? A pessoa que foi excluída socialmente a vida inteira e não teve acesso a renda, moradia e saúde terá uma velhice mais vulnerável e pobre. Trata-se daqueles indivíduos que nasceram e cresceram na linha de pobreza e não puderam contribuir com a previdência. Mas pessoas que tiveram renda ao longo da vida também podem ter uma velhice fragilizada, se não contarem com uma rede de suporte social. Ou seja, a renda é muito importante na velhice, entretanto, relacionamentos sociais e participação social também são fatores que determinam sentido à existência.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais