Coloque em prática

Alongamento: a importância da prática e dicas de como fazer

Conheça os benefícios que esse exercício tão simples, mas poderoso, possui – e faça dele sua rotina diária

4 de Setembro de 2020


Nada como esticar-se depois de um longo dia de trabalho. Ou aquecer-se antes de um treino intenso. Todas essas movimentações podem ser entendidas como alongamento, de certa forma. E por que?

“Primeiro é importante definir o que é alongamento. Ele é o aumento do tamanho e da flexibilidade do componente músculo-tendão, que é uma estrutura que compete ao músculo e sua terminação fina (o tendão), onde se fixa o osso” explica Nemi Sabeh Jr*, ortopedista e médico da Seleção Brasileira de Futebol Feminino.

É graças ao alongamento que conseguimos um aumento na mobilidade e na flexibilidade do nosso corpo. “É importante salientar também a diferença entre flexibilidade e mobilidade” continua Nemi. “Mobilidade é a mobilidade de uma articulação. O joelho, por exemplo, ele estende, ele não alonga - você só alonga músculo, nunca articulação”.

A importância da prática, segundo o que dizem alguns trabalhos, é justamente trazer um aumento desses dois componentes citados. Isso é importante tanto para atletas, que dependem dessa estrutura fortalecida para desempenhar os seus movimentos, quanto para pessoas que não necessariamente praticam esporte.

A verdade é que todos nós precisamos de um nível de flexibilidade e mobilidade para realizar movimentos cotidianos, como amarrar um tênis ou até mesmo caminhar. E os ganhos de se fazer alongamento envolvem diminuir o risco de lesões além de diminuir também a rigidez muscular e as dores.

Alongar-se diminui a rigidez muscular, risco de lesões, dores e traz relaxamento

Os ganhos a curto e longo prazo são bem similares, pois quase que de imediato há uma melhora da harmonia do movimento e, com o tempo, isso vai se intensificando.  “Há uma melhora tanto na flexibilidade quanto a mobilidade articular, e isso faz com que a gente consiga executar ações tanto nos exercícios quanto no dia a dia com mais facilidade” explica o especialista.

Além disso, ele pode ser feito em qualquer lugar e em qualquer horário. “O que é interessante é que mesmo a flexibilidade traz um pouco de relaxamento, e eu gosto muito disso no final do dia, porque você vai desacelerando para entrar na noite e poder dormir melhor também” comenta Nemi.

É ainda interessante pensar em fazer não só o alongamento de forma isolada, mas pensar em aulas que o englobe como uma parte crucial do processo, como é o caso do Yoga. “Você não vai fazer força, encurtar o músculo, e depois esticá-lo. Você vai trabalhar tudo de forma completa” diz. O Yoga, prática bastante famosa e muito em alta nos dias de hoje, trabalha a flexibilidade, a mobilidade, a força e o equilíbrio tanto físico quanto mental, em um só lugar.

Para escolher a melhor série de alongamentos para você, o ideal é ter o acompanhamento de um profissional, pelo menos nas primeiras vezes. Mas é importante saber respeitar os seus limites, e ter em mente que flexibilidade - parte crucial do treinamento - exige treino, dedicação e frequência.

E, mesmo com tudo isso, há ainda um fator genético envolvido que facilita mais para alguns. A idade também conta: quanto mais velho, menor flexibilidade. Mas o fato de não estar alcançando o chão, por exemplo, não quer dizer que você não está evoluindo. Esse processo é pessoal e precisa funcionar para você e somente isso.

Também há dois tipos de alongamento: o estático, que envolve uma permanência maior em cada posição, e que atua principalmente na diminuição da rigidez muscular. E o dinâmico, quando o exercício ou a pose é repetido algumas vezes, aquecendo o músculo graças ao aumento do fluxo sanguíneo.

Passar oito horas seguidas do seu dia sentado no trabalho pode ser extremamente prejudicial para a sua musculatura, sobretudo se você estiver em má posição postural. Ajeite sua coluna, caminhe e encaixe pequenos exercícios na sua rotina, principalmente durante as 8h mencionadas.

Lembre-se sempre: o alongamento pode gerar um desconforto inicial, mas nunca dor. Caso você a sinta, é hora de retornar. Respeite seus limites e esteja perto de um profissional nas primeiras vezes. A frequência é o segredo do sucesso dessa modalidade, portanto, o ideal é se alongar várias vezes ao dia: ao acordar, durante o trabalho e antes de dormir são horários chaves.

*Nemi Sabeh Jr, ortopedista e médico da Seleção Brasileira de Futebol Feminino há mais de 10 anos, atende no núcleo de especialidades do Hospital Sírio-Libanês e é idealizador da ON, um centro integrado de saúde e evolução corporal com unidades no Morumbi (São Paulo) e em Assis (interior de SP)

Compartilhar:


Coloque em prática

Seis maneiras de fazer novos amigos

Comprovadamente um dos pilares importantes para a nossa saúde, aprenda a fazer novas conexões de forma mais natural e espontânea

13 de Fevereiro de 2019


1. Aprenda a identificar oportunidades
“Nós perdemos chances de fazer amigos todos os dias”, diz Kate Leaver em seu livro The Friendship Cure (A Cura da Amizade, em tradução livre). Leaver aconselha ter coragem de dar pequenos passos quando as oportunidades surgirem.

“Em vez de forçar uma conversinha com o seu vizinho gentil, peça-lhe um pouco de café e faça disso uma oportunidade para conhecê-lo. Em vez de deixar uma festa sem pegar o contato da irmã do namorado da sua amiga, adicione-a no Facebook e convide-a para um café. Você ficará surpreso com quantos amigos em potencial já estão em sua órbita”, afirma ela.

2. Siga seus interesses
Participar de um grupo, clube ou aula é uma forma eficaz de conhecer pessoas. “Unir-se para uma atividade, projeto ou meta compartilhada é uma experiência que pode promover vínculos e conexões”, diz a terapeuta Miriam Kirmayer. Escolha um desafio ou habilidade pelo qual você é apaixonado, porque assim se divertirá e se sentirá mais à vontade para iniciar uma conversa.

3. Permita-se ser vulnerável
Pode ser assustador tentar fazer amigos. E se suas iniciativas forem rejeitadas? Leaver e Kirmayer dizem que um grau de vulnerabilidade é necessário para tentar fazer amizade. Mas se fechar para o mundo não vai ajudá-lo.

4. Use tecnologia - mas não exclusivamente
"Mídias sociais podem ser extremamente benéficas para fazer amigos quando adulto”, diz Kirmayer. Mas, acrescenta ela, as redes não substituem as interações pessoais. “Quanto mais confiamos nos aplicativos, menos prática temos com os tipos de conversas e experiências que realmente nos permitem criar amizades íntimas, em oposição a conexões superficiais.”

5. Não coloque muita pressão nisso
À medida que envelhecemos, nossas amizades inevitavelmente mudam. De acordo com um estudo publicado em 2016, atingimos nosso pico de amizades aos 25 anos. Quando tentar fazer amigos na vida adulta, não coloque muita pressão sobre a outra pessoa, nem espere muito dela.

6. Faça perguntas e ouça
Uma dica simples, diz Leaver, é fazer perguntas e escutar ativamente. Isso não quer dizer que você deve sair por aí interrogando pessoas, mas demonstrar interesse genuíno pelo outro. Fazer perguntas e ouvir as respostas pode levar você a um longo caminho no sentido de estabelecer conexões mais significativas.

Leia o artigo completo aqui.
Fonte: Amy Sedghi
Síntese: Equipe Plenae

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais