Para Inspirar

Desmistificando conceitos: o que é o autismo?

Apesar de ser um velho conhecido, há ainda muitas dúvidas e tabus em torno do assunto. Celebrando o Dia Internacional de Conscientização do Autismo, conheça mais sobre!

2 de Abril de 2022


Autismo: você certamente já ouviu falar nesse nome. O Transtorno de Espectro Autista (TEA) é uma condição neurológica reconhecida pela DSM (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders ou Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais em tradução), uma espécie de “bíblia” que guia tanto psiquiatras como neurologistas, psicólogos e outros especialistas. 


Trata-se de uma condição de saúde que pode ser apresentada em três níveis de suporte diferentes. O autismo afeta a capacidade de comunicação social (socialização e comunicação verbal e não verbal) e comportamento (interesse restrito ou hiperfoco e movimentos repetitivos) do indivíduo, e começa a se manifestar entre 12 e 24 meses. 


Porém, justamente por conta de seus níveis, também conhecidos como “espectros”, há muitas pessoas que vivem toda uma vida sem saber que são autistas. “Há autistas diferentes que apresentam os sintomas de autismo de formas diferentes, que têm experiências de vida e apresentações clínicas diferentes”, explica Rachel Monteiro Lorencini, psiquiatra em formação pelo CBI of Miami, com foco em neurodiversidade e também em psiquiatria e saúde mental da infância e adolescência na mesma instituição.


Desde a última versão do DSM, o DSM-5, diminui-se o leque do que era considerado autismo, como era o caso da Síndrome de Asperger - condição vivida por Rafael Mantesso, personagem da quarta temporada do Podcast Plenae. Até o DSM 4, o diagnóstico do autismo poderia receber o nome de Transtorno Autista, Síndrome de Asperger, Transtorno desintegrativo infantil ou Transtorno Invasivo do Desenvolvimento.


Agora, essas quatro nomenclaturas recebem um único nome: Transtorno do Espectro do Autismo. O que muda na prática é que, claro, os autistas são diferentes e demandam suportes diferentes. “O próprio nome discriminado no DSM-6, ‘nível de suporte’ já informa do que se trata: o quanto que aquela pessoa que foi diagnosticada com transtorno do espectro autista precisa de suporte profissional ou de uma pessoa, de um conhecido, amigo, alguns autistas encontram esse suporte no cônjuge, familiares, etc”, diz Rachel.


Este artigo explica o que mudou realmente da DSM-4 para a DSM-5 no que diz respeito ao autismo. Vale lembrar que esse manual é feito por médicos do mundo inteiro e que ele não é lançado todo ano: o último foi feito em 2013. 


Os níveis de suporte


Eles se dão em duas categorias: interação/comunicação social e comportamento restritivo/repetitivo. Os níveis de suporte vão do 1 ao 3, sendo que o 1 demanda pouco suporte e o 3 muito. O nível 2 é um nível intermediário. Veja a lista completa neste artigo do Portal de Medicina Brasileiro


“Os níveis de suporte não são fixos, estáticos, então pessoas autistas podem migrar e evoluir, pode receber assistência ou um ambiente mais favorável e caminhar nesses níveis para um suporte menor. Mas da mesma forma, em ambientes e situações adversas, a pessoa autista pode migrar para níveis de suporte maior”, explica a especialista. 


“Em relação às crianças, nem sempre é fácil definir os níveis de suporte, principalmente nessa primeiríssima infância até os 3 anos, crianças muito pequenas. Às vezes a gente espera um pouco mais pra definir isso, ou questões como se ela é uma criança verbal ou não verbal, se tem algum prejuízo ou não na fala e se tem algum déficit ou não intelectual”, diz. 


Fugindo do estereótipo


Quando falamos em espectro autista, uma imagem de muita limitação e prejuízo vêm à nossa cabeça. Mas é importante lembrar que nem sempre é assim, e que como foi dito no começo desse artigo, há autistas que passam uma vida inteira sem o seu diagnóstico, constituem família, trabalham e apenas ignoram suas dificuldades específicas, como se fosse uma característica pessoal. 


“Quando falamos em estereótipo, estamos falando de pessoas que não são produtivas. Infelizmente vivemos em uma sociedade que tem muito mais facilidade de identificar a dificuldade ou prejuízo do outro quando ele não consegue produzir academicamente, ambiente de trabalho ou num contexto familiar. Então está muito associado ao capacitismo, que diz respeito à capacidade dessa pessoa de produzir algo, de contribuir algo no trabalho ou no estudo”, diz Rachel.


Ou seja: se a pessoa apresenta um alto desempenho em algum fator de sua vida, ela ainda assim pode ser vítima de um tipo de sofrimento da ordem da comunicação social ou do comportamento, mas será negligenciada, pois entrega o que a sociedade espera dela.


“Uma pessoa que articula bem a fala não quer dizer necessariamente que ela tenha uma habilidade plenamente desenvolvida de socialização ou de interação social. Isso porque a interação envolve comportamentos de reciprocidade, de você perceber o outro, modular, modificar o seu comportamento de acordo com a resposta do outro. Essas pessoas tidas como ‘funcionais’ geralmente têm a capacidade de articular fala e de expor ideias, mas infelizmente estão em sofrimento, porque elas falham em se relacionar, não conseguem manter relações duradouras e muitas vezes não sabem o porquê”, explica.


O próprio termo funcional já é um adjetivo que pode ser ofensivo, porque parte-se do princípio de que todos temos que funcionar e operar na mesma frequência, quando na verdade, somos todos diferentes em nossas particularidades. Mas Rachel ainda nos lembra de evitar termos como déficit, falho, prejuízo e preferir, no lugar deles, típico/atípico, diverso, recíproco/não recíproco.


Outro ponto que pode fugir do estereótipo do que se pensa quando se fala em autismo são as pessoas que possuem um hiperfoco em um só assunto, com muita intensidade, e em temas que nem sempre correspondem ao interesse geral da população ou dos seus semelhantes, que possuem a mesma idade, por exemplo. Isso entra no ponto “interesses restritos e repetitivos”, também descrito no DSM-5. 


“Eles também podem estar relacionados a comportamentos ritualizados, como é o caso do meu filho, que é autista. Ele tinha seletividade alimentar, que pode ser entendida em alguns pontos como cognitiva, porque ela diz respeito muitas vezes a um layout ou uma organização específica do prato. Teve uma época que ele escolhia o formato da pipoca que ia comer ou só comia frutas seguindo o mesmo ritual da escola dele. E se esse ritual fosse ferido, ele se desorganizava muito, ficava extremamente irritado”, conta a psiquiatra.


Caminhos de tratamento


Talvez o mais conhecido dos tratamentos seja o ABA, que vem do inglês “Applied Behavior Analysis” ou Análise do Comportamento Aplicada. Por essência, o ABA trabalha no reforço dos comportamentos positivos por meio da recompensa. Antigamente, o método utilizava-se também da punição, mas hoje, com o debate da humanização cada vez mais em foco, não há mais essa punição tão esclarecida. 


“Mas não recompensar pode ser também um tipo de punição”, comenta Rachel. “Ele tem um viés mais comportamentalista e surgiu de uma perspectiva que tinha como meta o condicionamento mesmo, então pegar uma criança com um comportamento inadequado e através de um sistema de recompensas fazer com que essa criança tenha adequado. Há até gráficos onde as crianças são ‘medidas’ com base no objetivo que se espera. Ele já demonstrou resultados positivos, mas é bastante questionado”. 


Por ser uma condição que pode se manifestar de múltiplas formas, há também, múltiplos caminhos. Rachel aponta a terapia de transtorno de processamento sensorial aplicada como um caminho novo e que tem sido revolucionário, além da terapia optométrica, ainda um pouco inacessível pela falta de profissionais capacitados, mas que promete bastante. Musicoterapia e equoterapia também são caminhos alternativos bastante promissores. 


“A terapia vai sempre ser direcionada a partir daquilo que você observar que aquela criança pode ter ganhos, então o fonoaudiólogo pode trabalhar a parte de fala, linguagem, comunicação. Terapeuta ocupacional pode trabalhar a parte da vida diária, a parte de interação sensorial. O psicólogo pode trabalhar estratégias de regulação emocional. Sempre vai ser um trabalho interdisciplinar, tendo como meta o aprendizado e principalmente o conforto do paciente”, diz.


E por fim, a escola, local onde a criança passa grande parte do seu dia comprometida com aquele ecossistema que deve ser de inclusão, nunca de exclusão. Estar atento à instituição escolhida é dever primordial dos pais que possuem filhos com espectro autista. E para adultos que se enquadram nessa condição, buscar um ambiente de trabalho que acolha suas limitações. Acolhimento: essa deve ser a palavra de ordem quando o tema for autismo. 

Compartilhar:


Para Inspirar

Deborah Telesio em "Essa onda vai passar"

A sétima temporada do Podcast Plenae está no ar! Confira a história da empresária Deborah Telesio. Aperte o play e inspire-se!

20 de Março de 2022


Leia a transcrição completa do episódio abaixo:


[trilha sonora]


Deborah Telesio: Você já teve a sensação de ter sido protegido? De que algo ruim podia ter acontecido, um tropeço, um acidente, mas que de forma quase inexplicável não foi desta vez? Quantas vezes o “quase” aconteceu? Será que é por acaso? Como e porque vivenciamos o “quase”? Quais as mensagens que estes eventos nos trazem? Assim como ocorrem com tantas pessoas em diferentes situações, eu vivi uma experiência extrema de quase morte, e não tive dúvidas de que o que me salvou foi algo maior. Na minha intuição, eu chamo de Divino ou de anjos. 


Dia 26 de dezembro é a data do meu segundo aniversário. Eu sou sobrevivente do Tsunami que aconteceu na Ásia em 2004, depois de um terremoto subaquático de 9 pontos na escala Richter, que tirou a vida de mais de 250 mil pessoas. Algumas delas, lamentavelmente, bem ao meu lado. 


[trilha sonora]


Geyze Diniz: Todos nós já passamos por avalanches no decorrer da vida. Mas com Deborah Telesio, essa expressão foi vivida na pele em 2004. Deborah estava fazendo snorkeling na Tailândia, quando o Tsunami atingiu ela no meio do mar. Ao contrário da maioria das pessoas ao seu redor, Débora sobreviveu, e só se deu conta da dimensão da tragédia quando foi levada de volta ao continente. 


Em solo firme, a executiva teria outra missão: encontrar sua amiga que ficou na praia quando a onda veio. Debora conta que, depois dessa experiência, assinou um novo contrato com a vida. Conheça a história de Deborah Telesio e sua conexão com o aqui e o agora. Ouça, no final do episódio, as reflexões do especialista em desenvolvimento humano Marc Kirst , para te ajudar a se conectar com a história e com você mesmo. Eu sou Geyze Diniz e esse é o podcast Plenae, ouça e reconecte-se.


[trilha sonora]



Deborah Telesio: Era uma viagem de férias com a minha melhor amiga, irmã de alma Marie, com quem eu já percorri vários cantos desse mundo. Eu, que sempre trabalhei como louca de executiva de multinacionais, e pra quem conhece este mundo sabe que é bem puxado, me dava sempre ao luxo de me aventurar pelo mundo, pra recobrar as energias e ampliar meus horizontes. Frequentemente com ela, com a  Marie, uma amiga dessas que aquece o coração e já por mais de 30 anos. E com quem eu compartilho dessa sede de conhecer e de viver o novo. 


Pra nós, quando a gente viaja, vale a cultura do lugar, vale os sabores, os cheiros, as comidas, as paisagens, as pessoas, seus hábitos e suas crenças. 


[trilha sonora]


Chegando em Bangcoc, fomos surpreendidas ao ver um Beit Chabad, bem em frente ao nosso hotel. Beit Chabad é uma entidade judaica presente em muitos países, mas eu nunca esperaria encontrar um lá. Era época de Chanukah, a festa das luzes e dos milagres. Durante 8 dias, os judeus acendem velas para celebrar a vitória da luz sobre a escuridão. Eu e a Marie somos judias. Quando eu cheguei lá, eu falei pra ela: “Vamos acender as velas de Chanukah!”. Atravessamos a rua e fomos acender as nossas velas. As velas que celebram o milagre. A gente ainda nem sabia o quanto precisaríamos de um grande milagre nos próximos dias. 


A viagem seguiu bem, super interessante essa parte do mundo. Pudemos testemunhar as várias crenças que permeiam aquele lugar. Budistas na Tailândia, hinduístas em Bali, a coexistência de todas as religiões em Cingapura. Fomos aos templos budistas, fizemos oferendas, assistimos a rituais hinduístas que nunca tínhamos visto. Já no final da viagem, estávamos passando alguns dias no sul da Tailândia, onde há ilhas de beleza incomparável. O mar é super calmo e as pessoas são gentis. 


Naquele dia, eu acordei sentindo um leve tremor  na minha cama. Ela sentiu também. Era suave, nem demos muita bola. Mal sabia que esse era o tal do terremoto, que viria a causar tanta devastação. 


[trilha sonora]


Marie não estava se sentindo muito bem neste dia e queria ficar na praia, quieta. E diferente de todos os outros dias, nesse, decidimos fazer um rápido programa separadas uma da outra. Eu queria aproveitar meu último dia naquele paraíso e decidi pegar um barquinho 

pra fazer snorkeling. Fomos procurar um barqueiro na beira do mar pra me levar a um ponto de snorkeling bem conhecido por lá. Um cara jovem se ofereceu, mas eu não quis. Preferi um velhinho, porque eu me sentia mais segura com ele, eu de biquíni, sozinha no meio do mar. Até hoje eu penso naquele jovem. Será que eu salvei a vida dele, quando escolhi o homem mais velho pra me levar? Não sei, nunca vou saber.


Eu dei o meu passaporte pra Marie e me despedi, e ela tirou uma foto de mim, no barco. O barqueiro me levou a um lugar com umas rochas vulcânicas gigantescas no meio do mar. Tinha vários barcos  por lá e um monte de gente, talvez umas 30 pessoas. O barqueiro disse que ia me esperar num canto e eu fui nadar pra bem perto da pedra vulcânica, onde havia vários corais e peixes. Eu estava de máscara, de snorkel, e tinha comigo uma máquina fotográfica daquelas descartáveis. Era um peixinho colorido a minha última lembrança, até que eu tenho um apagão, uma amnésia. Eu não tenho a menor ideia do que aconteceu naquele momento, nenhuma lembrança. 


Num intervalo de tempo que eu não sei quanto durou, aconteceu algo tão grande que arrancou a minha máscara, arrancou o snorkel, a câmera da minha mão. Quando eu me dei conta, eu tava com a cabeça fora da água, meio zonza, tentando entender o que estava acontecendo. 


Olhei em volta e percebi que eu não tinha nem saído do lugar, que eu continuava na mesma posição em relação à tal da pedra vulcânica. Mas as pessoas que estavam lá já não estavam mais. 


[trilha sonora]


Olhei pra frente e, aí, eu vi uma parede de água vindo na minha direção. Não era uma onda grande normal. Era algo muito assustador, nem sei precisar a altura. Nesse momento eu entendi que ia morrer. Que eu morreria e que ninguém jamais saberia de mim. Que a minha vida iria terminar e não tinha o menor sentido pra mim. Eu queria viver. Fiquei inconformada, eu não queria morrer. 


A onda chegou e não quebrou. Eu pude passar por cima dela, sem que nada me acontecesse. Eu consegui me estabilizar de novo, até que uma terceira onda gigante veio na minha direção. Só que essa, ao contrário da anterior, já tava quase quebrando. Não ia dar tempo de eu passar por cima dela. Não ia dar tempo de eu furar a onda. Não havia nada, absolutamente nada que eu pudesse fazer. Era eu e a fúria do mar. 


[trilha sonora]


A onda, de fato, quebrou em cima de mim. E eu me lembro da sensação exata de estar embaixo da água, naquele rebuliço. Enquanto eu era arremessada de um lado pro outro, eu lembrei de várias coisas. Lembrei de um sonho de infância em que eu era engolida por uma onda. Lembrei da minha avó, que tinha morrido dois meses antes. Lembrei do meu pai, que já era falecido. 


Quando o fôlego acabou, eu comecei a respirar água e tive um pensamento meio macabro: “Ah, não é tão ruim morrer afogada”. 


[trilha sonora]


Eu acho que, por 1 milésimo de segundo, eu não desmaiei. De repente, uma luz iluminou as minhas pálpebras e eu tive uma sensação de que eu tava sendo puxada pra cima. Quando percebi, eu tava com a cabeça fora da água, eu estava respirando, eu tava viva. 



Eu senti nitidamente que tinha uma coisa ali muito maior do que eu. Não sei se foi a minha avó que veio me salvar, se foram anjos, se foi Deus. Mas eu não tenho dúvida de que algo grande, divino,  cuidou pra que eu tivesse exatamente naquele lugar, nem um pouquinho mais pra esquerda, nem um pouquinho mais pra direita. A primeira frase que veio na minha cabeça foi: “eu fui salva por um colchão de anjos”. Colchão porque eu sabia que os corais estavam muito perto, que a pedra gigante estava a poucos metros de mim.


Eu olhei à minha volta e vi o mar imundo, cheio de sujeira. Consegui nadar até um pedaço de barco que tava virado, subi nele e senti uma fraqueza incrível. Estranhamente, eu não tinha nenhum arranhão. Eu não bati nos corais, eu não bati contra a pedra, eu não fui arrastada pra outro lugar. Eu tava sim exausta, mas inteira. 


[trilha sonora]


Um cara se aproximou de mim, segurando uma criança e perguntou se eu tava bem e se eu podia segurar aquela criança. A menina devia ter uns 4 anos. Toda raladinha e falava sem parar em um idioma que eu não entendia. As únicas palavras que eu identifiquei foram “mami” e “papi”. Eu segurei aquela menina contra o meu corpo e fiquei falando pra ela em português mesmo: “Calma, vai ficar tudo bem”. De repente, uma mulher subiu naquela pedra gigante e gritou o nome da menina: Nicole. Nunca mais esqueci. Era a mãe dela. Graças a Deus!


Do nada, apareceu um barquinho de madeira com um casal e um barqueiro pra nos resgatar. Nem sei de onde esse barco surgiu. Talvez ele estivesse mais pra dentro do mar, antes da onda arrebentar. Todos os outros barcos já não estavam mais lá, inclusive o que me trouxe. Fico pensando se o barqueiro conseguiu ligar o motor e fugir a tempo.


O barco resgatou os poucos sobreviventes: eu, a Nicole, a mãe da Nicole, o homem que a salvou. Tinha também um cara em estado de choque, dizendo que a namorada dele não tinha sobrevivido. O barco também levou o corpo de um tailandês e uma moça super jovem, que alguém tentou reanimar no barco. Eu, por outro lado, estava passando muito mal e vomitando, porque realmente eu tinha me afogado. Até que alguém gritou: “Vamos que vem mais onda!”


Aquele foi o momento em que eu me senti mais forte na minha vida. Eu pensei com uma convicção que eu nunca mais senti: “Hoje, eu não morro mais. Hoje eu já morri e nada mais vai me acontecer”. 


[trilha sonora]


Lembrei de novo da minha avó, que era uma mulher forte que enfrentou duas guerras mundiais, e que sempre me dizia: “Tudo o que você sabe ninguém tira de você”. Então eu ia me virar, na verdade eu acho que ela até estava lá do meu lado naquele momento, emprestando a força dela pra mim. Eu sabia que eu tinha meus recursos, meu aprendizado da vida e eu pensava: “A única coisa que importa agora é encontrar a Marie”. 


[trilha sonora]


Só que o barco não me levou pra ilha onde a Marie tava. 


[trilha sonora]

Eles foram para uma cidade chamada Krab, de onde saem todos os barcos em direção às ilhas. Quando a gente chegou na costa, eu entendi que a coisa era muito séria. Tava tudo destruído, os barcos um em cima do outro. Começaram a gritar de novo: “Corre, vem mais onda!”. Todos correram e eu também corri, corri, corri, junto com um monte de gente. Fui dar numa estrada, nem lembro bem como. Uma família se aproximou e me ofereceu para que eu entrasse no carro deles. Ela com um lenço na cabeça, árabes. As crianças no carro ficaram em polvorosa quando eu disse, meio zonza, que eu era do Brasil. Começaram a dizer “Ronaldo, Cafú”. Essa mulher, ou, esse anjo, me perguntou como poderia me ajudar, eu pedi que ela me levasse de volta pra ilha onde a Marie estava e ela disse que não tinha como, claro que não. 


Eu, executiva, pensei super logicamente e falei: “Me leva pra um centro de informação turística, porque  lá eu sei que eu vou poder falar inglês, que vão me entender, vai ter telefone, vai ter fax, vai ter tudo o que eu preciso”. Essa família me levou, mas antes parou num posto de gasolina, onde tinha um chuveiro. Foi maravilhoso tirar aquela sujeira de mim. Me deram as roupas do filho, um menino de uns 10 anos. Quando eu saí vestida com as roupas dele, ele viu os meus pés descalços, tirou os chinelos dele e me deu. Como que eu posso agradecer essas pessoas? 


[trilha sonora]


No centro de informação turística, eu consegui avisar a minha mãe que tava tudo bem e pedi pra ela repassar a informação pro filho da Marie, caso ela ligasse. A gerente desse centro arrumou um hotel pra eu dormir, me levou para uma padaria, me fez comprar um pão, uma coca cola e me deu uns 2 dólares. 


Eu só soube da dimensão da tragédia quando liguei a TV do hotel e vi as imagens das ondas gigantes e da destruição em tantos países. Até então, eu nem sabia o que era um tsunami. A mesma mulher que se sentiu tão forte naquele barco, era agora uma pequena, frágil, assustada. Eu nunca me senti tão sozinha. Mas ainda assim, eu tinha certeza de que tudo ia dar certo no final. 


[trilha sonora]


Passei mais dois dias andando por essa cidade, eu, a sacolinha do pão que eu não conseguia largar, por medo de não ter mais o que comer, vestindo as roupas do menino. Visitei as escolas que receberam os resgatados, os hospitais, procurava o nome da minha amiga nas listas de sobreviventes. Encontrei mais incontáveis solidários pelo caminho, muitos deles em situação parecida com a minha, procurando sobreviventes, tentando contato com pessoas, ou pior, pessoas que tinham perdido entes queridos. E a Marie? 


Liguei na embaixada brasileira, mas eles também não tinham notícias dela. Ela, por sua vez, demorou 3 dias pra fazer contato com a família dela ou com qualquer outra pessoa. Ela achava que eu tava morta, ela não tinha coragem de dar essa notícia pra ninguém, e por isso preferiu o silêncio. A experiência dela foi até mais traumática que a minha. Ela viu o mar recuar e as pessoas caminharem em direção à água, com curiosidade. A Marie, por outro lado, foi pra trás, o que salvou a vida dela. Ela se agarrou em uma árvore  pra não ser arrastada pelas ondas, subiu morros e demorou mais de um dia pra ser resgatada. 


Enquanto esperava o resgate, ela se juntou a um grupo de jovens israelenses e foi literalmente carregada por eles. Esses jovens levaram a Marie de volta a Bangcoc, justamente pro mesmo Beit Chabad onde a gente acendeu as velas de Chanukah. Foi lá que a Marie acessou a internet, soube que eu estava viva e decidiu entrar em contato com a família. 


[trilha sonora]


Nós nos reencontramos em Bangcoc. Choramos, nos abraçamos, falamos horas sem parar, ligamos pras nossas famílias.  No mesmo Beit Chabad, recebemos mais um presente. De não apenas poder conhecer aqueles meninos geniais que salvaram minha amiga, mas também de sermos abençoadas com uma cerimônia de renascimento. E porque eu passei por isso? Por que eu sobrevivi e aqueles 250 mil outros não tiveram a mesma sorte? Essa pergunta permanece comigo, mas depois de 17 anos eu acho que tem alguns aprendizados que sim me transformaram. Os momentos que vivi naquele barco que me resgatou, a força que eu ganhei naquele momento e acreditar. Saber que sim, conto com aquilo que aprendi, que posso aplicar, que nenhum aprendizado ou experiência é em vão, como disse a minha avó. 


Mas acreditar que as coisas podem dar certo, de que há algo grande que nos cuida, isso eu levo pra mim em todos os meus dias. E como não ser grata. Quanto vale poder comemorar meu segundo aniversário com a minha amiga, que hoje, aliás, é a madrinha da minha filha Nina?  Essa minha menina Nina, que nasceu em 2010, deve ter sido a razão para eu ter sobrevivido. Será? 


Quanto vale poder juntar as nossas famílias, que se tornou agora uma família estendida e celebrar as festas judaicas juntos, acender as velas de Chanukah todos os anos e agradecer por tantos milagres que vivenciamos todos os dias? E como retribuir? 


Eu sempre acho que não é suficiente.


Hoje, eu sou CEO de uma empresa de equipamentos de radioterapia para tratamento oncológico. Diante de tamanha vulnerabilidade, todos nós, seres humanos, vivemos com a pandemia do coronavirus, esse tsunami que está passando na vida de todo mundo. E diante da minha responsabilidade como líder, como eu poderia retribuir o cuidado que eu recebi na minha vida? 


Essa pergunta, esse compromisso, está comigo todos os dias. E o agradecimento de ter saúde, de ter podido cuidar da empresa, da equipe, de tentar ajudar as pessoas que estão vivendo tempos tão difíceis. E sim, com atitude de que vai dar certo. Importar-se genuinamente com o outro, ser solidário, como tantos foram comigo no momento mais vulnerável da minha vida. E, principalmente, acreditar. Chame-se anjos, chame-se Deus, chama-se Santos, Buda, Shiva, não importa, ter fé em você e nessa força. Por que tem algo grande, maior, que cuida, e temos que nos dar conta, agradecer e fazer a nossa parte. 


[trilha sonora]


Marc Kirst: Como teu espírito reagiu ao ouvir esse relato tão raro e impactante? No dia em que Deborah sobreviveu sem nenhum arranhão, mais de 220 mil pessoas faleceram no Tsunami mais devastador da história. Se ouvirmos, sem pensar em nós mesmos, talvez deixamos escapar uma percepção transformadora. Se você acabou de ouvir sobre esta experiência, significa que você também é sobrevivente. Nem sempre de formas tão explícitas, mas eu te pergunto: quantas vezes será que o acaso do xadrez da vida te salvou de uma tragédia e você nem percebeu? Um segundo a mais ou a menos no momento em que saímos de casa. Uma fala ou silêncio que influenciou alguém que amamos a pegar a direita em vez da esquerda. Uma viagem que precisou ser cancelada e no momento ficamos decepcionados. 


O nosso hábito de controlar e interpretar nos leva a categorizar tudo o que nos acontece como bom ou ruim. Mas na ignorância do que o futuro nos reserva, talvez valha a pena abdicar das avaliações da nossa mente para sentir um novo nível de gratidão. O desapego do que achamos que precisa acontecer para aceitar o que está acontecendo. O olhar sobre a nossa caminhada não depende só dos eventos espetaculares e inesquecíveis, mas da consciência, do olhar e da perspectiva que escolhemos a cada dia que temos o privilégio de respirar mais uma vez. Qual é a experiência que você está vivendo agora? Te convidamos a aproveitá-la, qualquer que seja. 


[trilha sonora]


Geyze Diniz: Nossas histórias não acabam por aqui. Confira mais dos nossos conteúdos em plenae.com e em nosso perfil no Instagram @portalplenae.


[trilha sonora]

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais