Para Inspirar

O trabalho dos voluntários da Copa

Como esse trabalho invisível e não-remunerado é o responsável por levantar um evento de tamanha magnitude

8 de Dezembro de 2022


O trabalho voluntário é um dos caminhos para se atingir mais propósito na vida e levar à longevidade, como já te contamos. Há diferentes tipos de trabalho e diferentes benefícios para quem o realiza. Ele pode ser feito por meio de empresas, por exemplo, ou uma iniciativa individual de uma pessoa. 

Há ainda os trabalhos voluntários com foco na realização de um projeto a nível nacional. Na equipe de transição de um novo governo, como o que os brasileiros estão testemunhando, a grande maioria de quem compõe esse grupo é de pessoas que não recebem nada pelo trabalho se não satisfação pessoal. 

E, como estamos na copa, por que não falar dos voluntários que ajudam esse evento de magnitude internacional a acontecer? Entenda mais sobre ele a seguir! 

O chamado da Fifa


No dia 22 de março de 2022, ou seja, cerca de 8 meses antes do evento, a FIFA começou a convocação para as inscrições dos voluntários que quisessem ajudar na Copa. O lançamento do Programa de Voluntariado, como contou o jornal Lance, foi marcado por um evento no anfiteatro de Katara, em Doha, cidade que sedia todos os jogos do torneio neste ano. 

Cerca de 3.500 candidatos em potencial foram recebidos por convidados especiais, incluindo Sua Excelência Sheikha Hind Bint Hamad Al Thani, Sua Excelência Salah Bin Ghanem Al Ahli, Ministro do Esporte e Juventude, Sua Excelência Hassan Al Thawadi, Secretário Geral do Comitê Supremo para Entrega e Legado, o Presidente da FIFA, Gianni Infantino, e a Secretária Geral da FIFA, Fatma Samoura. 

Os interessados deviam se inscrever no site oficial da FIFA montado somente para isso, sem distinção de origens e com qualquer nível de experiência. As inscrições estavam abertas para todos os países, sendo que falar inglês era um requisito eliminatório e algum conhecimento do idioma árabe era considerado um trunfo. 

Também era preciso ter no mínimo 18 anos ou mais em 1º de outubro de 2022, sem limite máximo de idade. Ter disponibilidade para compromisso no mínimo de dez dias durante o torneio era também outro pré-requisito, e inscrições em grupo não eram permitidas - somente individuais. Os candidatos pré-selecionados participaram de uma avaliação e de uma entrevista e, quando selecionados, todos receberam treinamento, além de um uniforme adidas de edição limitada, uma refeição durante o turno e acesso gratuito ao transporte público.

O desenrolar do trabalho

O torneio, que teve início em 21 de novembro, contou com a participação de 20 mil voluntários de todas as partes do planeta, trabalhando no centro das operações do evento, fornecendo suporte em 45 áreas funcionais em locais oficiais e não-oficiais como estádios, locais de treinamento, aeroporto, zonas de fãs, hotéis e centros de transporte público.

O aumento no número de voluntários apresenta um crescimento estrondoso, seja porque pareceu mais interessante para muita gente, seja porque essa copa em específico preciso mesmo de mais mão de obra. Para se ter uma ideia, como conta esse artigo, em 2010, a FIFA recebeu 64.500 aplicações para preencher um total de 15 mil voluntários. Na última copa, ocorrida na Rússia em 2018, foram mais de 17 mil voluntários, escolhidos entre 170 mil candidatos.

O programa procurava especialmente “solucionadores de problemas confiáveis com habilidades interpessoais e capacidade de aprender rapidamente'', com habilidades de comunicação, liderança, linguagem e trabalho em equipe. Em troca, os participantes recebem oportunidades, habilidades e ferramentas para apoiar o torneio, além de estarem em contato direto com a cultura local e muitos contatos importantes para o seu futuro. 

Isso sem mencionar a satisfação pessoal de participar de um evento dessa magnitude, bem como os benefícios inerentes ao trabalho voluntário, seja ele qual for, mencionados no começo deste artigo. Outros atrativos para os fãs de futebol, por exemplo, é a possibilidade de conhecer de perto grandes ícones mundiais do futebol, além de ter em seu currículo o feito de ter trabalhado nesse evento. 

“Participar do programa de voluntários da FIFA significa fazer algo memorável”, explica a Federação Internacional de Futebol em seu site. “Eles vão criar memórias que durarão a vida inteira para fãs, jogadores, mídia, Catar e o mundo — bem como para si mesmos”.

Orgulho verde e amarelo

Um time de cerca de 300 brasileiros vem ajudando a construir o torneio no Catar nas mais diferentes funções e em cargos de liderança, como conta o artigo no jornal Estadão. Alguns vivem por lá desde antes de o emirado ser escolhido como país-sede do Mundial, enquanto outros chegaram recentemente.

O Catar também conta com o suporte de empresas 100% brasileiras. A Arena, que fornece mão de obra especializada nos setores de realização de serviços, como estruturas para a mídia e segurança, por exemplo, e a Pretorian Logística, empresa brasileira que possui uma frota de mil veículos de luxo (carros e vans) para o transporte de clientes durante o Mundial, são bons exemplos. 

Nossa seleção, como de praxe, é uma das favoritas para ganhar o mundo. Sempre é bom lembrar que somente o nosso país conta com 5 estrelas na camiseta, mas o que queremos mesmo é a sexta. O hexa vem aí? É o que estamos aguardando! 

Compartilhar:


Para Inspirar

Maio Roxo: conheça a campanha com foco em doenças intestinais ligadas aos hábitos de vida

Cerca de 7 milhões de pessoas em todo o mundo têm Doença Intestinal Inflamatória. Conheça a campanha que busca trazer mais luz para esse tema.

3 de Maio de 2023


Segundo a Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP), as DIIs - ou Doenças Intestinais Inflamatórias, são caracterizadas principalmente pela Doença de Crohn e a Colite Ulcerativa. Ambas são doenças autoimunes, ou seja, quando o próprio corpo do indivíduo. 

A prevalência das doenças inflamatórias intestinais no país vai de 12 até próximo a 55 em cada 100 mil habitantes, depende da região e do estudo. Mas já se sabe que há uma concentração nas regiões Sudeste e Sul, e uma das hipóteses mais aceitas para esse valor é devido ao alto índice de desenvolvimento humano e urbanização, como explica esse artigo do site do probiótico Enterogermina.

Ainda se tratando de Brasil, a ocorrência de novos casos, tanto de doença de Crohn quanto de retocolite, fica em torno de 7 para cada 100 mil habitantes. Nos países desenvolvidos, como EUA, Canadá e alguns países europeus, a prevalência pode chegar próxima a 120/130 para cada 100 mil habitantes.

Segundo esse estudo, houve 6,8 milhões de casos de DII em todo o mundo, com uma taxa de prevalência padronizada por idade que aumentou de 79,5 por 100.000 habitantes em 1990 para 84,3 por 100.000 habitantes em 2017. A taxa de mortalidade, porém, diminuiu de 0,61 por 100.000 habitantes em 1990 para 0,51 por 100.000 habitantes no mesmo ano. Mas o que causa essas doenças, afinal? 

As causas das DII's


São vários fatores envolvidos para o surgimento das Doenças Inflamatórias Intestinais. Genética, imunidade, fatores ambientais e alimentares, a disbiose intestinal, tabagismo e hábitos de vida como um todo, como explica o Ministério da Saúde. Ela ainda costuma se manifestar mais entre 15 e 40 anos.

Seus sintomas podem ser parecidos, mas há algumas pequenas diferenças entre eles. De acordo com a Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn (ABCD), enquanto colite ulcerativa é uma doença inflamatória do cólon (intestino grosso) e se caracteriza por inflamação da camada mais superficial, a Doença de Crohn pode afetar qualquer parte do trato gastrointestinal e camadas mais profundas.
Os sintomas costumam ser diarreia, cólica abdominal, às vezes febre e uma possibilidade de sangramento retal, variando de leve a grave. Já o seu diagnóstico é uma jornada que pode se estender por um período, pois é preciso passar por algumas etapas. É feita uma análise da história clínica desse paciente, levando em conta seus exames laboratoriais. Além disso, outros exames como tomografias e ressonâncias e até endoscopias com biópsias podem ser solicitados.

Tratamentos para as Doenças Intestinais Inflamatórias

Apesar de não terem cura, essas Doenças Intestinais Inflamatórias têm tratamentos possíveis, que podem trazer uma remissão clínica importante. Ou seja, faz com que o paciente controle esse processo inflamatório e a doença passe a não apresentar mais tantos sintomas. Além de tratamentos medicamentosos, estar atento aos seus hábitos de vida é sempre um bom começo para tantos males. Fazer exames regulares, se hidratar e até mastigar bem durante as refeições já podem prevenir as DII’s. Ter uma alimentação saudável, evitando alimentos ultraprocessados e evitando também o uso de laxantes, também.

Pratique atividad
es físicas, procure não se estressar e ingerir menos bebidas alcoólicas e cigarros. E fazer o uso de probióticos pode ainda te ajudar a manter sua flora intestinal em equilíbrio - e te contamos neste Tema da Vez o quanto a flora intestinal e o intestino num geral são importantes, certo? Ele pode até mesmo interferir na sua saúde mental e ter a ver com doenças como a depressão.

A campanha

Agora que você já conhece um pouco mais sobre os números de incidência dessas doenças, seus sintomas, diagnóstico e tratamento, fica mais fácil de entender o porquê da criação de uma campanha de conscientização para elas, sobretudo porque se tratam de doenças muito atreladas aos nossos hábitos de vida, assunto tão recorrente por aqui. O Maio Roxo é uma campanha que tem justamente esse objetivo: chamar a atenção da sociedade e também das entidades públicas sobre esse problema e buscar melhorias na qualidade de vida tanto dos pacientes já acometidos pelas doenças como também pelas pessoas saudáveis, mas que podem vir a tê-las se não mudarem seus hábitos. Outro pilar importante desta campanha é falar da importância que o diagnóstico precoce tem. Trata-se, portanto, não só de uma campanha de conscientização, mas também de prevenção. Aqui no Brasil, a data foi criada em 2010 pela Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP) considerando o dia 19 de maio que é também o Dia Mundial da Doença Inflamatória Intestinal. Liderada por organizações que representantes de 50 países, como explica este artigo, em cinco continentes diferentes e coordenada pela European Federation of Crohn’s and Ulcerative Colitis Associations (EFCCA), a campanha pretende ainda encorajar governos e profissionais de saúde a agir e mostrar apoio às milhões de pessoas em todo o mundo que vivem dessa maneira.

Para apoiar a campanha, há alguns caminhos. Usar uma fitinha roxa, como recomenda o site oficial World IBD Day, é um dos caminhos. além de fortalecer o uso de algumas hashtags específicas nas redes sociais como #IBDhasnoage (Doenças Inflamatórias Intestinais não têm idade, em tradução livre) e #worldibdday2023 (atualizada para esse ano) também. No Brasil, as associações responsáveis pela campanha são a SPCP ou a ABCD, mencionadas ao longo deste texto. Procure saber se eles estão precisando de voluntários para suas campanhas na rua, por exemplo, ou demais ações que elas possam estar promovendo. Se você está em algum outro país e perceber que ele não faz parte dessa união, você pode solicitar uma carta de apoio da EFCCA, organizadora oficial do evento, que levará às entidades públicas por sua vez. E são essas entidades que têm o poder de promoverem campanhas espalhadas pela cidade e mais abrangentes, como iluminar pontos e edifícios de referência da cor roxa. O primeiro passo, que é a conscientização, já foi dado. Agora, só depende de você!

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais