Para Inspirar

Qual é a relação entre o carnaval e o catolicismo?

Todos amam, mas poucos conhecem a história do feriado mais liberto de todos. Conheça a relação entre o carnaval e a Igreja Católica

9 de Fevereiro de 2024


O feriado mais amado por grande parte dos brasileiros está entre nós! Inspiração para uma de nossas crônicas, o carnaval já esteve por aqui também nas dicas para quem busca fugir da folia e curtir de uma forma mais tranquila ou o outro extremo: quem curtiu tanto que agora busca desintoxicar. Ainda, esse mês a equipe reuniu outras dicas em nosso Instagram do que fazer nesses dias - mas aqui, dançar e seguir bloquinho também estão previstos. 

Hoje, porém, decidimos mergulhar na origem dessa festa que tem em seu DNA a integração dos povos, aceitação, miscigenação, ocupação das ruas e, porque não, a Igreja Católica. Leia mais a seguir!

O começo de tudo


A origem do carnaval é um pouco controversa, porque depende do formato de que estamos falando. Mas, há indícios extremamente longínquos de suas raízes: na era da Antiguidade. Segundo historiadores, havia uma comemoração popular em homenagem à chegada da primavera, na região onde hoje ficaria entre o Egito e a Grécia.

Essa festa marcava principalmente o fim dos longos invernos que assolavam a região e, por consequência, afetavam as vegetações. Com a chegada dessa estação, motivos para agradecer não faltavam: o sol novamente brilhando, os frutos pendurados nas árvores, dias mais longos e temperaturas agradáveis. 

"No mundo antigo, você tem as festas para Dionísio, os bacanais, onde os próprios deuses visitavam a Terra. Todas as sociedades têm festas que desmontam a ordem social", comenta o professor e antropólogo Roberto da Matta, autor do livro "Carnavais, Malandros e Heróis", de 1979, à TV Globo. 

Ainda no mesmo artigo, o teólogo Leonardo Boff lembra que até no carnaval romano os escravos deixavam de ser escravos durante aqueles dias: "A sociedade precisa tirar as máscaras e voltar ao seu estado natural", diz. Mas então, onde a Igreja entra nessa história, afinal?

A festa pagã


Como você deve ter aprendido ainda na escola, na Idade Média a Igreja Católica possuía um grande prestígio, tão grande que estava acima dos reis e rainhas em uma hierarquia social. A palavra final era sempre do clero, nome dado à classe dos sacerdotes da época. Bispos, padres, ministros sagrados: todos eles mandavam e desmandavam, escreviam as leis com os próprios punhos e de acordo com as suas próprias crenças e convicções. 

Mas, mesmo com toda a sua força, não teve como a Igreja acabar com essa festa que já se estendia por tantos anos. A forma que a instituição encontrou de manter a então comemoração primaveril foi incorporá-la como festa religiosa e definir uma data certa: a terça-feira antes da Quarta-feira de Cinzas. A ideia era que fosse “a última farra onde o povo poderia se esbaldar antes de entrar nos quarenta dias de sacrifício e penitência até a Páscoa”. 

 "O berço do carnaval ocidental se encontra na Igreja, apesar dos antecedentes na cultura greco-latina. O próprio nome carnaval lembra esse fato. A palavra é a combinação de duas palavras latinas: carnis que é carne e vale que é uma saudação, geralmente no final das cartas ou no final de uma conversa. Significa "adeus". Então antes de começar o tempo da Quaresma, que é tempo de jejuns e penitências, se reservaram alguns dias para dizer "adeus" à "carne", explica Boff.

Mas, se a ideia de carnaval que temos hoje é a de um período permissivo e livre de culpas, é fato que poderia trazer problemas para a Igreja apoiar tamanha desordem. Não havia nada de religioso ali, era escancaradamente uma festa profana, e portanto, não foi possível defender o caráter casto e religioso da esbórnia por muito tempo. 

No Concílio de Trento, em 1545, como conta o artigo, a comemoração foi liberada pela Igreja e passou a ser assumida como uma festa pagã. "Na medida em que a sociedade foi separando o sagrado do profano, o carnaval escapou do controle da Igreja. Ganhou sua identidade própria. Mas o seu significado básico continua o mesmo. O importante é que seja feito pelos populares, por aqueles que socialmente nada contam. No carnaval eles contam, são aplaudidos quando normalmente são eles que devem aplaudir", lembra Leandro. 

Em países como a Itália, por exemplo, que hoje abriga o Vaticano, país sede do papa, a festa e o baile de máscaras já era tão popular que ainda no século 13 já tinha sido oficializada como feriado e recebeu o nome de Carnaval. O resto é história: com a chegada dos portugueses em terras brasileiras, a folia desembarcou junto e ganhou novos contornos, preservados até hoje pelo nosso país que se apropriou do feriado como ninguém.

Isso se deve ao fato de que, com essa inversão de valores propostas pela festividade, onde pessoas comuns eram os verdadeiros protagonistas e não haviam tantas hierarquias - as máscaras, por exemplo, eram parte fundamental dessas “novas identidades” -, os muitos escravos e trabalhadores que aqui habitavam, bem como o povo que foi ficando cada dia mais miscigenado, viam um propósito maior nesses dias e ganharam novo fôlego. Era uma função quase que “terapêutica” para dar vazão à sua imaginação - e ainda é. 

Por que cada ano o carnaval cai em uma data? 


Isso também tem uma explicação católica. Como dissemos anteriormente, estabeleceu-se há muitos séculos que essa festa antecede os sacrifícios exigidos pela Igreja durante a Quaresma, uma última oportunidade para extravasar. Sendo assim, o Carnaval começou a ser calculado levando a Páscoa em consideração, feriado que marca a ressurreição de Cristo. 

Se a Páscoa é sempre o primeiro domingo após a primeira lua cheia do outono aqui no hemisfério Sul (primavera no hemisfério Norte). A data do carnaval é sempre 47 dias antes do domingo de páscoa. Dá tempo de cair na farra típica dessa aventura e ainda descansar para se preparar pro resguardo dos 40 dias. 

Hoje em dia, poucas pessoas sabem de toda essa história e o catolicismo já não possui um poder de decisão tão grande quanto em outras eras - apesar de ainda ser uma religião muito forte aqui no Brasil. O que se preserva do DNA dessa festa é esse poder de liberdade e o povo todo reunido nas ruas, sem distinção e com um só objetivo: se divertir. Essa é, afinal, a mensagem que fica dos dias de Carnaval!

Compartilhar:


Para Inspirar

Plenae Event: Change the relationship with your body

“When we want something to happen, time flies. Today, technology drives the world and we believe we can hack the system and control time. But we always have the same 24 hours”

14 de Junho de 2018


Nutritionist Jeanette Bronée entered the stage asking: “What is something that we always want more of? What is something everyone feels they don’t have enough of?”. And continued giving hints. “Something we think we control, but it controls us.” Someone in the audience shouts “money”. “Nope”, she replied. “It’s time. Time is the new currency.” For a lecture with the title “Nutrition: the key to a long and wholesome life”, her opening was quite unexpected. “When we want something to happen, time flies. Today, technology drives the world and we believe we can hack the system and control time. But we always have the same 24 hours,” said Jeanette, who then conveyed her message. “We can’t buy more time. We can however buy more personal care. And with this, spend time in a better manner.” She refers to caring about one’s own body. Those who think that choosing the right food, meditating or doing exercise is a waste of time are totally wrong. This would be the only time spent, according to her, that we recover in terms of health and well-being – and, who knows, with a longer life. Jeanette developed a method called the Path for Life, which seeks to change the way people interact with their own body. Want an example of her work? Under pressure. “The CEO of a big company looked me up. Business was prospering, but he wasn’t. He was barely surviving,” she said. “He’d spend the days stressed. He was gaining a pound a week, because he couldn’t stop eating.” The executive basically ate at his desk. He dreamed about leaving the company and retiring. But that was not an option at the time. The big mistake, according to the nutritionist’s analysis, was his insistence in putting work ahead of himself. “He thought he didn’t have time. I asked him to reconsider his priorities and limits. In my opinion, he was wasting time.” The doctors were concerned about the possibility of him having a stroke if drastic changes were not made. The fear of dying or having a devastating disease is not a motivational feeling in the long-term. “But the desire is,” said Jeanette. “Why take over control of your health? Why don’t you want to have a heart attack? Or why do you want to live a long life, full of energy? It’s like riding a bike. You’re not going to become distracted with the irregularities in the asphalt; you’re going to focus on where you want to go.” Jeanette points out that under pressure we focus on what is urgent, but not on what is important. “We are driven by instinct and not by inspiration. It’s the quality of time that makes the difference.” According to her, the key to our longevity depends on the quality of the fuel we put into our body. Just like a racing car that needs better quality fuel to have superior performance.” She pointed out that Plenae’s founder, Abilio Diniz – who was in the audience –, was healthy and felt very good at age 81. “He probably thinks that his body is a racing car and self-care is his fuel.” How to care for the body. Every day, we are bombarded with information – many times contradictory – of what is good or bad to eat. But there isn’t a formula. It’s confusing because we seek a single answer for health and longevity. But we are different individuals,” said Jeanette. “We need to become like scientists when caring for our body. Science is a process that combines phenomenon with statistics. Likewise, we can learn about our body. Observe and discover the relationship between what we eat, drink and do with the way we feel – better or worse according to our choices. The essential. To survive, man essentially needs water, food and rest. The nutritionist provides suggestions on each one of them: 1. Water. The most essential. All of our cells need water, especially with age. Dehydration causes common problems such as a lack of energy, focus, anxiety, migraine, anger and pain. Research with prisoners proves that they become less aggressive when they are more hydrated. Another study conducted with children in schools: when they drink water instead of sweetened tea or soda, work in groups is more productive. Jeanette asks everyone to chew water. “It may seem strange, but what happens when you chew is that your mouth releases saliva, which absorbs hydration more, and quickly we become alert.” 2. Food. The source of all energy. The trick is to substitute processed food and sugar for grains and fiber that provide energy for the day-to-day. Eat green and fresh vegetables for their ability to reduce inflammation. This is very important in the longevity process. Legumes, quinoa and fish optimize the metabolism of cells. Avoid eating snacks between meals and eat little. 3. Rest. Sleep seven or eight hours per day. Schedule 5-minute breaks during work every 45 minutes. Another healthy habit are naps just 10 minutes long. It will give you more energy than a cup of coffee. Click here to watch the full lecture.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais