Coloque em prática

Como consumir consciente na Black Friday

Durante a campanha de compras mais famosa do mundo, lembre-se de não cair em tentação com os descontos e lembrar da sustentabilidade em seus atos.

24 de Novembro de 2022


Todo final de novembro, uma mesma campanha agita o mundo todo: a Black Friday. Nascida nos Estados Unidos, onde ela tradicionalmente acontece depois do feriado de Ação de Graças, ela se espalhou pelo resto do mundo e, só aqui no Brasil no ano passado, ela movimentou R$5,4 bilhões, contando o período da quinta-feira às 0h até às 23h59 da sexta-feira.

Você com certeza já deve ter ouvido falar nela e talvez já tenha até feito umas comprinhas nesta data. Mas explicaremos de qualquer maneira: a Black Friday é sempre na última sexta-feira de novembro, quando todas as lojas baixam seus preços e criam promoções de proporções imensas, para estimular a compra e o consumo. 

O que o planeta tem a ver com isso?

Se por um lado ela ajuda os comerciantes a fazerem um bom caixa pré-natal, em um mês onde tradicionalmente nada aconteceria para justificar tantas vendas, por outro, ela estimula o consumo desenfreado, problema sério para nossos bolsos e também para o planeta. 

Recentemente, uma foto chocou o público ao revelar as montanhas de roupas usadas e descartadas como lixo no paradisíaco e turístico Deserto do Atacama. Em conversa com as criadoras da plataforma It Brands, falamos um pouco sobre a relação entre a moda e o planeta. Constantemente esquecemos que tecido é também lixo, e que quando não destinado aos locais certos, só se torna mais um peso nos já sobrecarregados lixões.

Para elas, o “wake up call” (“hora do chamado”, em tradução livre), veio para ficar e alertar a todos que, se o valor está muito abaixo do que deveria, é preciso estar alerta. Afinal, para um produto chegar até você, há vários processos envolvidos que são custosos. Portanto, algum elo dessa cadeia pode estar sendo prejudicado - e geralmente, esse elo é o planeta. 

O que fazer

Um dos caminhos possíveis, então, é fazer melhores escolhas na hora de comprar. Optar por produtos que, à primeira vista, podem parecer mais caros, é na verdade uma vantagem, pois isso pode indicar que sua durabilidade será melhor, ou seja, seu descarte será mais tardio. 

Nessa rodada de escolhas, você pode também optar por peças mais “coringas”, que podem ser combinadas de várias maneiras e, assim, evitar um armário sobrecarregado - como te explicamos nesta matéria sobre as formas de trazer o minimalismo para seus hábitos. 

Além disso, o que pode encarecer um produto é também uma cadeia de produção mais ecológica e menos industrial, onde pequenos produtores não contarão com grandes maquinários e sim com sua capacidade artesanal individual, mas com certeza muito mais responsável ambientalmente falando. 

A chave do sucesso está em repensar também a sua maneira de experienciar o mundo. Que tal desacelerar? O movimento slow, como é chamado essa tendência da desaceleração, também já foi tema aqui no Plenae. Ele propõe que tiremos o pé do acelerador em todos os aspectos: na comida, na medicina, na infância, no entretenimento (o calm-tainment que te contamos aqui), e, porque não, nas compras - o chamado “slow fashion”. 

Dentre suas premissas, está justamente o que falamos anteriormente: pensar antes de comprar, investir seu dinheiro com sabedoria naquilo que será utilizado várias vezes, dar preferência a pequenos produtores, estar de olho nas etiquetas para saber de onde aquela peça veio, refletir sobre os caminhos que ela tomou até chegar a você, fazer a moda circular (por meio de compras em brechós ou doar suas roupas), enfim, há uma infinidade de caminhos possíveis. 

Nesse movimento de repensar seus conceitos, em tempos de Black Friday é urgente repensar a sua relação com o dinheiro. Em “O que é riqueza, afinal”, olhamos para esse tema sob diferentes óticas - da filosofia até a etimologia da palavra. 

No Tema da Vez de setembro do ano passado, pensamos de forma profunda sobre o capital, essa verdadeira entidade que parece reger a nossa sociedade como um todo. Por lá, falamos sobre sua relação com a felicidade e o que é prosperidade - palavra discutida também em Plenae Entrevista e um dos pilares propostos no curso da XP Investimentos em parceria com o Plenae.

Em outro Tema da Vez, dessa vez em novembro do ano passado, falamos sobre consumismo e o porquê sentimos vontade de comprar itens que não precisamos, fomentados principalmente pela propaganda e pelas urgências que o capitalismo propõe. 

Para finalizar esse artigo, que se propõe a trazer mais consciência e inteligência na hora de suas compras de Black Friday, fique com os 12 princípios de consumo consciente trazidos na newsletter mencionada acima. Lembre-se: só depende de você investir no que realmente importa e fazer do mundo um lugar melhor! 

Compartilhar:


Coloque em prática

Ghosting, love bombing e outros: quais são os termos modernos dos relacionamentos?

Em busca de traduzir situações comuns a todos os modelos de relacionamentos, a modernidade cria termos - geralmente em inglês - que sintetizem tudo isso

7 de Agosto de 2023


Na era do amor líquido, termo que te contamos neste artigo, as relações que já são complexas por essência, tendem a se tornarem ainda mais. Isso porque as linguagens de amor e a comunicação em geral são escassas e é difícil saber quando o outro está na mesma página e quando você deve sair dessa dinâmica. 

Em busca de traduzir todo esse mix de sentimentos, especialistas de diferentes áreas e até internautas comuns criam termos que sintetizem situações comuns a todo tipo de relacionamento - e não são poucos, como te contamos neste Tema da Vez: monogâmico, não-monogâmico, heterossexual, homossexual, casamento, etc.

Quais são esses termos, afinal? Vamos te contar os principais a seguir!


Ghosting

Talvez o mais famoso e mais antigo deles, o ghosting vem da palavra inglesa ghost, que quer dizer fantasma. Portanto, o neologismo se refere a prática de alguém se tornar um fantasma, aquele verdadeiro desaparecimento sem explicação. 

Sabe quando você está conversando com alguém e conhecendo essa pessoa melhor, mas ela vai parando de te responder - ou pode até ser bruscamente - até que ela suma de vez da sua rotina de conversas? Pois é, esse é o ghosting

E ele não se restringe só a relacionamentos não: amigos também podem virar fantasminhas sem maiores explicações até que eles se tornem meros colegas ou até somente conhecidos. 

Outro termo que se encaixa nessa mesma premissa é o curving, que remete à palavra curva. Ou seja, é quando a pessoa “dá uma curva” na outra e vai sumindo aos poucos, respondendo de forma mais desinteressada e desmarcando sempre com o pretexto de estar ocupada para sair.

Haunting 

Também derivada de uma outra palavra em inglês, o haunt quer dizer assombrar. Portanto, a prática do haunting geralmente vem de uma pessoa que tinha desaparecido - dado um ghosting - e, de repente, ela volta. Isso porque a assombração se refere, claro, a fantasmas. Por isso o caráter do sumiço antes, para depois reaparecer. 

Nesse mesmo caso, pode ser usado o termo zombieing, que vem de zumbi. Ou seja, a lógica é a mesma: ressurgiu dos “mortos” a pessoa que tinha desaparecido ou se tornado um fantasma. 

Stalker 

Essa é também bastante famosa e mais antiga - e já se tornou até mesmo uma lei. A lei nº 14.132/2021 descreve o crime de perseguição e acrescenta o Art. 147-A ao Código Penal Brasileiro. 

O stalker é aquela pessoa que fica literalmente perseguindo a outra, seja de forma digital, marcando uma presença excessiva e exaustiva, ou até presencial - o que é mais preocupante e pode trazer consequências muito negativas. 

Uma das maneiras do stalker agir também ganhou o seu próprio termo em inglês: orbiting, que significa órbita. Mas, nesse caso, é mais quando uma pessoa fica rondando (ou orbitando, no caso) a outra logo após o término do relacionamento.

Sabe o meme do “oi, sumida”? 
É bem por aí: o interessado fica esperando esse término, torcendo por ele, stalkeando sem parar e gerando quase que uma perseguição mesmo. O termo snooping também se aplica para esse mesmo tipo de situação, a velha e (nada) boa “bisbilhotada”. 

Benching

Bench em inglês significa banco. Esse termo é utilizado para aquelas pessoas que deixam a outra “no banco de reservas”, ou seja, de molho. Pode ser só um ficante que está te enrolando ou até mesmo um ex que decidiu terminar tudo, mas que quer te manter ali como uma segunda opção, um stand by caso ele precise acionar novamente quando lhe der na telha. 

Também pode ser chamado de paperclipping (uma relação curta que vai e volta) ou cushioning (geralmente, pessoa que está em um relacionamento monogâmico, mas flerta com outras, principalmente em aplicativos de namoro). Em resumo: Fuja! 

Love bombing

O mais recente de todos eles, love bombing é, em tradução livre, uma bomba de amor. Ela acontece quando a pessoa está extremamente interessada em ganhar a sua atenção e, portanto, te bombardeia de atenção, amor, afeto. Mergulha no seu universo, se interessa pelas mesmas coisas, é sempre presente. 

Mas, o bombardeio acaba assim que ela percebe que já te ganhou, ou seja, não é mais preciso conquistar esse “item”, como num leilão mesmo. E aí, após isso, a tendência é que o ghosting apareça. 

Um outro termo que se enquadra nessa dinâmica é o lemming, que é o nome que se dá ao lemingue, um roedor solitário que habita os países escandinavos e que encontra outros da mesma espécie apenas para reproduzir e depois se separar. 

Sabe aquela pessoa que está se relacionando com alguém, mas que pode descartar esse alguém a qualquer momento em que encontrar uma outra que se interesse mais? Esse é o lemming. Não há cerimônias para ir embora caso aquele relacionamento lhe parecer desinteressante. O verdadeiro amor líquido que mencionamos lá no começo. 

Já o breadcrumbing, que literalmente significa deixar migalhas de pão, também pode ser um ato do love bombing. São essas pequenas demonstrações de atenção e conexão que fazem a pessoa acreditar que é especial, mas que nem sempre é.

Whelming

Essa tática é, na verdade, fruto de uma insegurança de quem a pratica - e isso se aplica a várias outras, mas especialmente essa. Trata-se de uma derivação do termo overwhelmed, ou sobrecarregado em português. A prática consiste em se fingir “cansado” da insistência dos seus outros pretendentes. 

Mas o pulo do gato é esse: você não desabafa esse aparente cansaço para qualquer pessoa, mas sim, para o seu objeto de desejo. Então é um teatro feito para que o pretendente real sinta ciúmes ou acredite que você é uma pessoa bombada e cheia de interessados, quando a verdade não necessariamente é essa. 

Outros termos

O dicionário do amor atual é tão complexo que há ainda uma infinidade de outros termos menores e mais específicos. São eles:

  • Cuffing season: aquele período de inverno quando mesmos solteiros convictos estão em busca de um relacionamento por carência. 

  • Stealthing: retirar a camisinha durante o sexo sem avisar o outro e sem que isso seja um acordo entre as duas partes - prática abusiva e perigosa.

  • Tuner: alguém que gosta do outro, mas que não quer tornar isso mais oficial ou sequer falar sobre o assunto. Pode ser chamado de pocketing também.

  • Negging: um insulto disfarçado de elogio, aquela ofensa disfarçada de brincadeira. 

  • Glamboozling: quando a pessoa desmarca o encontro de última hora ou dá um bolo sem nem avisar.

  • Gatsbying: quando a pessoa faz um post com a intenção de chamar a atenção de uma pessoa específica.

  • Kittenfishing: a "pesca de gatinhos" é a pessoa que edita muito suas fotos ou mentem sobre sua aparência e interesses para parecer mais interessante. 


Pronto! Agora você já está antenado nos novos termos, assim como fizemos com as siglas sobre os novos medos neste artigo e neste também. Você se reconheceu em alguma dessas situações? Acredite: você não precisa estar em uma relação onde sua presença não é devidamente reconhecida e celebrada. Se sentir que será difícil sair dessa sozinho, busque ajuda especializada. Você vai conseguir!

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais