Coloque em prática

O que a natureza pode nos ensinar

Para além de seus já conhecidos benefícios, o contato com a natureza é capaz de nos ensinar mais do que imaginamos

4 de Março de 2022


Na sétima temporada do Podcast Plenae, mergulhamos no propósito de Eduardo Foz junto a ele e sua narrativa. É possível transformar um amor de infância em seu ofício? Para ele, sim. O que poderia aparentemente ser um amor inofensivo por animais acabou se tornando sua fuga de uma rotina que já não lhe fazia mais sentido e tornou sua missão de vida. 


Já nos emocionamos anteriormente com uma relação de amor entre homem e animal, quando Rafael Mantesso dividiu em seu episódio para a quarta temporada do Podcast Plenae de quantas formas diferentes o seu cachorro foi fundamental para sua saúde mental e até mesmo física. 


Sua participação, aliás, nos levou a investigar os benefícios que essa relação tão potente entre o indivíduo e seu pet pode trazer. De te obrigar a caminhar até liberar hormônios importantes para seu bem-estar, a troca é tão rica e intensa que já se tornou uma ferramenta dos profissionais de saúde em busca de cura dos seus pacientes: a zooterapia.


Mas sabemos que a natureza não se restringe somente aos nossos animais de estimação. Até porque, nem mesmo os animais de estimação se restringem somente aos cachorros: há quem tenha gato, coelhos, hamsters e por aí vai. Se essa interação se provou tão benéfica, como analisar isso sob uma ótica maior, tratando-se do meio ambiente como um todo?


A natureza como professora


Para começar, é preciso olhar não só para os ganhos de uma relação no sentido de benefícios para o corpo. Isso porque além de a natureza fazer bem, sim, para a nossa saúde física e mental - além de ser fonte de calma e alegria, como contamos aqui - ela também é professora. 


Há até mesmo uma área dedicada a isso: ela se chama biomimética, ciência dedicada a observar processos naturais e, a partir disso, utilizar seus mecanismos para inspirar soluções que beneficiem o cotidiano das pessoas.  O que podemos aprender, afinal, com a mãe Terra? 


  • Que somos parte dela, e não algo à parte, como nos explicou Maria Claudia Pontes, diretora regional da Weleda Latim América. “Justamente por termos essa consciência de que somos apenas parte de um todo, é inaceitável destruir a natureza, porque de alguma maneira eu estou me destruindo ao mesmo tempo. Se eu agredir um solo, eu estou me agredindo”, diz ela.

  • Que sua presença em ambientes resgata até mesmo um pouco de nossa ancestralidade, como prega a Biofilia e também como estudos arquitetônicos mais recentes apontam


  • Que a evolução leva tempo e não se dá de um dia para o outro, como o crescimento de uma flor que não tenta encurtar sua jornada, mas respeita os processos.

  • Que se regenerar é possível, mesmo quando somos feridos, afinal, é possível observar o nascimento de fungos, flores e matos em locais inusitados, como em um meio fio de uma avenida ou em um lixão.

  • Tudo está em sintonia e tudo que há no mundo co-depende de outros acontecimentos - todos temos nosso valor e nossa função. É a velha teoria do efeito borboleta: um simples bater de asas desse inseto aqui no Brasil pode ocasionar um tornado no Texas. “Pequenas modificações em um sistema podem ocasionar resultados significativos se este apresenta dependência sensível”, como explica o blog de Física na Unicentro.

  • O valor do trabalho em cooperação, como a obra “A Vida Secreta das Árvores – o que elas Sentem e Como se Comunicam” do escritor e pesquisador alemão Peter Wohlleben explica. As árvores, ao contrário do que se pensa, se comunicam entre si e cooperam mutuamente para que até mesmo a menor delas consiga sobreviver e, assim, tornar a mata sempre mais densa e protegida.

  • O valor das pequenas coisas, seja a alegria genuína que o canto de um pássaro pode nos trazer, ou como contamos neste artigo, os benefícios que uma prática miúda e cotidiana como a jardinagem pode trazer.


E agora, já está mais convencido a se conectar de verdade com o verde que te cerca? Espírito e Contexto são os dois pilares Plenae dedicados a pensar sobre contemplação, o elo natural das coisas e o meio ambiente enquanto um sistema. Mas o poder que a natureza exerce é tanto que afeta positivamente todos os nossos outros pilares, bem como seus ensinamentos. Respire fundo e busque esse contato!

Compartilhar:


Coloque em prática

Teste: qual é o seu propósito de vida

Sem propósito, a vida se torna vazia e sem graça. Saiba agora qual pode ser a sua missão de vida!

23 de Janeiro de 2020


Certa vez, tive uma cliente que, quando questionada sobre seus valores mais profundos, parou por um longo tempo, antes que finalmente dissesse: "Essa é a coisa mais assustadora que já me perguntaram". Após outra pausa, ela acrescentou: "Não penso nisso há muito, muito tempo" e começou a chorar.

Infelizmente, a experiência da minha cliente não é incomum. É fácil ficar atolado em nossas tarefas e hábitos diários, perdendo de vista o que é mais importante. Como uma engrenagem em uma máquina, podemos funcionar do lado de fora, mas na verdade estamos presos, repetindo os mesmos movimentos antigos, incapazes de mudar ou até mesmo ver uma maneira diferente de viver.

Podemos ter adotado, sem pensar, os valores e objetivos de nossos amigos e familiares, nunca ousando explorar os nossos por medo de que eles se desviem de nossa educação cultural. Ou podemos ter duvidado de nossa capacidade de seguir um caminho diferente, porque não somos inteligentes o suficiente, confiantes o suficiente, bonitos o suficiente ou simplesmente ... não o suficiente. Sem propósito, a vida se torna vazia e sem graça, e é por isso que os valores são essenciais para o meu trabalho com os clientes.

Os que os valores podem fazer por você
Os valores são qualidades escolhidas de ser e agir, como ser carinhoso, confiável, amoroso, leal, honesto e corajoso. Eles podem ser expressos com verbos e advérbios, como ensinar com compaixão e doar com gratidão. No entanto, eles não são objetivos. Metas são finitas; uma vez alcançadas, você acaba com elas. Os valores, por outro lado, são guias permanentes e contínuos para a vida.

Você não pode alcançar um valor; você só pode manifestá-lo agindo de acordo com ele. Seus valores não apenas indicam onde concentrar seus esforços e energias, mas também fornecem uma nova fonte de motivação. Qualquer dor que você tenha ao longo de sua jornada se torna muito mais fácil de suportar quando está a serviço de seus objetivos e valores.

E agir de acordo com os desejos mais profundos do seu coração traz uma sensação de satisfação e vitalidade que nenhuma riqueza material é capaz de igualar. Quais valores você escolhe são totalmente de sua responsabilidade. No entanto, se você não souber quais podem ser esses valores e como implementá-los, aqui estão algumas etapas úteis.

Como conhecer os desejos mais profundos do seu coração

1. Avalie suas áreas de vida
O exercício a seguir é baseado no Questionário de Vida Valorizada da minha amiga e colega Kelly G. Wilson. Dê uma olhada nas seguintes áreas da vida e avalie sua importância em uma escala de 1 a 10 (1 = menos importante e 10 = muito importante). Lembre-se, isso é para você e mais ninguém. Não há resposta certa ou errada. - Família (exceto casamento ou parentalidade) - Casamento / casais / relações íntimas - Parentalidade - Amigos / vida social - Trabalho - Educação - Lazer - Espiritualidade - Cidadania / vida Comunitária - Autocuidado físico (dieta, exercício, sono) - Problemas ambientais - Arte, expressão criativa e estética

2. Avalie sua consistência
Em seguida, observe as áreas da vida mais uma vez, mas desta vez avalie a si mesmo em termos de quão consistente suas ações têm sido ultimamente com seus valores em cada um desses domínios. - Família (exceto casamento ou parentalidade) - Casamento / casais / relações íntimas - Parentalidade - Amigos / vida social - Trabalho - Educação - Lazer - Espiritualidade - Cidadania / vida comunitária - Autocuidado físico (dieta, exercício, sono) - Problemas ambientais - Arte, expressão criativa e estética

3. Escreva seus valores
Dê uma olhada nas respostas do exercício anterior e identifique os domínios que possuem uma pontuação de alta importância (9 ou 10) e uma pontuação de consistência baixa (6 ou menos). Essas são áreas problemáticas, e sugiro que você inicie seus valores com um deles.

Em seguida, pegue um pedaço de papel e escreva por 10 minutos sobre seus valores em um dos domínios identificados anteriormente. Realmente faça isso - 10 minutos não é muito longo. Você pode se perguntar: "Com o que eu me preocupo nessa área?" Ou "O que eu quero fazer nessa área que reflete esse cuidado?" E "O que devo fazer para manifestar mais esse valor na minha vida?".

A pesquisa mostrou que escrever sobre seus valores tem um efeito mensurável em sua saúde e comportamento. Lembre-se de que isso é apenas o começo. Existem muitas maneiras de se conectar mais profundamente com seu objetivo e viver mais alinhado com seus valores, muitas das quais compartilho em meu novo livro, A Liberated Mind (inédito no Brasil).

Viver de acordo com seus valores não é apenas saber o que importa, mas também como agir de acordo com esses princípios. Não é uma escolha única, mas uma jornada ao longo da vida de escolha e comprometimento. De novo e de novo.

Fonte: Steven C. Hayes*, para Psychology Today
Síntese: Equipe Plenae Leia o artigo completo aqui.

*Steven C. Hayes é professor de psicologia da Universidade de Nevada, no EUA.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais