Coloque em prática

Como saber se o seu cérebro precisa de pausa?

Que tal começar o ano percebendo mais os sinais do seu corpo e respeitando os seus limites? Trouxemos algumas dicas valiosas para isso!

3 de Janeiro de 2024


O ano novo começou e, com ele, pode surgir um misto de ânimo pelo que está por vir e também um certo cansaço ainda acumulado, a preguiça clássica pós-férias. Neste mês, também celebramos a campanha do Janeiro Branco, cujo objetivo é trazer ainda mais luz aos temas relacionados à saúde mental.


Então que tal iniciar esse ciclo percebendo mais os sinais do seu corpo e respeitando os seus limites? Acredite: o seu cérebro dá sinais importantes e visíveis de que precisa de uma pausa, e esses mesmo sinais podem se tornar até mesmo físicos. Mas é preciso estar atento, ok? Trouxemos algumas dicas valiosas para isso!

Entendo a pausa

Em primeiro lugar, se faz necessário reforçar o óbvio, mas que por vezes é esquecido na sociedade acelerada que vivemos: a pausa é parte imprescindível da produtividade. Um cérebro e um corpo cansados não conseguem comparecer às expectativas de demanda e começam a adoecer. Portanto, encarar o descanso como algo fundamental deve ser o primeiro passo dessa jornada. 

Para isso, é preciso respeitar as sete fases do descanso que te contamos neste artigo. E isso vale para aqueles cochilos no meio da tarde: ao mesmo tempo que eles podem ser revigorantes, eles também podem te deixar ainda mais cansado. É preciso respeitar o ciclo do seu sono e cochilar pouco ou muito, pois é o meio termo que te deixará cansado. Te demos mais dicas valiosas neste artigo.

Por fim, prestar atenção não é tanto uma ação, mas uma forma de processar informações, diz Marta Sabariego, professora-assistente do Mount Holyoke College que estuda a atenção, ao jornal The New York Times. Para criar conexões criativas, processo que também te explicamos por aqui, é preciso deixar os nossos pensamentos fazerem uma pausa. 

“A solução de problemas e a inovação geralmente exigem deixar sua mente vagar para pensar em possíveis soluções usando esta rede de modo padrão, no qual fica ativa quando sonhamos acordados. Para pensar criativamente, precisamos dar espaço para nossos pensamentos vagarem ao fazer uma pausa”, diz o artigo mencionado.

É o chamado ócio criativo, termo que nos aprofundamos neste artigo e que é responsável justamente por nos permitir pensar em possíveis soluções fora da caixa e visualizar respostas e caminhos que, quando estamos sobrecarregados, não conseguimos perceber, pois nos atemos somente em realizar tarefas pré-estabelecidas e executá-las sem pensarmos muito a respeito. Perde-se muito nesse processo de automação do nosso cérebro. 


Os sinais

Partimos então do princípio de que o descanso com qualidade é preciso ser contemplado e estar nas suas obrigações diárias sempre, todos os dias, independente de qualquer sinal, certo? Porém, sabemos que isso nem sempre acontece. Além disso, cada corpo e cada tipo de tarefa exige um tanto de pausa diferente, como continua explicando o artigo. 

“Se o seu trabalho exige que você seja multitarefa –o que pode aumentar o número de erros, reduzir a criatividade e causar fadiga–, é provável que você precise de pausas com maior frequência. Também depende do que você estiver fazendo. Você pode ficar concentrado durante 90 minutos ou mais fazendo o trabalho que considera desafiador e gratificante, mas precisar de pausas mais frequentes ao fazer tarefas domésticas ou entediantes.” 

Outro ponto importante é que não é só a falta de descanso adequado que pode acarretar em um cérebro cansado, como explica o Healthline, também pode te deixar exausto, ainda que você repouse e faça pausas.

  • Passar muito tempo todos os dias lidando com responsabilidades esmagadoras

  • Viver com sintomas de saúde mental ou uma doença crônica

  • Dedicar muita energia todos os dias para pensar em problemas, preocupações ou outras fontes de estresse

  • Passar por algum estresse financeiro

  • Insatisfação no trabalho 

  • Cuidar de um ente querido que está doente ou tem necessidades especiais 

O mínimo então é estarmos ao menos prestando atenção nos sinais que o nosso corpo está enviando em relação ao tema. De modo geral, “mental” costuma se referir a habilidades cognitivas, como pensamento, memória, tomada de decisões e resolução de problemas. “Emocional”, por outro lado, está mais ligado aos sentimentos, incluindo a sua capacidade de identificá-los, processá-los e expressá-los. 

Neste artigo, te trouxemos alguns sinais de que o seu corpo está estressado. Você pode sentir desde falta de ar, queda na imunidade e dores musculares até excesso de sudorese, alterações no estômago e no seu peso e uma possível bexiga hiperativa - sem contar os problemas de pele que também podem ser psicológicos, como te contamos aqui. 

Mas há outros sinais. Você pode notar exaustão emocional, como explica o Healthline, ao navegar por sentimentos difíceis, dolorosos ou indesejados, como: tristeza, tristeza, raiva, solidão, ansiedade - e até o luto, tema que trouxemos por aqui recentemente, e que pode tomar todo o corpo com sintomas.

A exaustão mental e emocional, por sua vez, pode fazer com que você se sinta desapegado, desmotivado, apático e preso. Os desafios que você está enfrentando podem parecer impossíveis de superar e você pode se sentir esgotado demais para continuar tentando, e esse esgotamento pode resultar em fadiga emocional e mental.

Outros sinais mentais e emocionais:

  • Sentimentos de depressão, incluindo um humor persistente de tristeza, desânimo e desesperança 

  • Sentimentos persistentes de ansiedade 

  • Dificuldade em se preocupar com qualquer coisa e uma sensação generalizada de desapego, cinismo ou pessimismo 

  • Raiva ou irritabilidade 

  • Dificuldade em processar e gerir emoções 

  • Sensação de pavor e um declínio visível na motivação e uma produtividade letárgica

  • Movimentos mais lentos nas respostas

  • Dificuldade de concentração, de lembrar informações, de organizar pensamentos ou de concluir o trabalho corretamente

O que fazer a respeito?

Agora que você já reconhece a importância do descanso e os seus sinais iminentes, é hora de pensar no que fazer. Não basta simplesmente dormir, por exemplo, pois às vezes isso pode ser insuficiente. Além disso, o sono é reservado para uma hora específica do dia, e a sua rotina precisa ter outros pontos de alívio. Muitas vezes, nem mesmo tirar férias pode te ajudar se, ao retornar, mudanças vitais não forem feitas. Quais são elas?

  • Estar próximo a natureza, pelo menos um pouco e com frequência. Que seja um parque ou até mesmo manter o seu jardim, o importante é ter o verde logo ali, pautados sempre no conceito de Biofilia que trouxemos aqui.

  • Evite o excesso de telas e mais do que isso, o excesso de mídias sociais, que podem te bombardear com informações e causar estresse mental.

  • Após realizar uma tarefa grande, pare e realize algo menor e de preferência com um cunho lúdico. Entregou um grande relatório? Respire e faça umas palavras cruzadas.

  • Alimente-se corretamente. A glicose é parte fundamental da sua energia, portanto, não negligencie os pequenos lanches ao longo do dia.

  • Exercite-se corretamente. Seja em uma academia no horário que couber na sua rotina, seja fazendo exercícios em casa pela manhã ou pelo dia. Não há horário ideal para malhar, o importante é fazê-lo, como dissemos por aqui.

  • E falando em se mexer, não esqueça dos alongamentos! Esses podem ser feitos rapidamente e mesmo no ambiente de trabalho. Estique-se e inspire-se nessas dicas que te trouxemos.

  • Se há algum ponto específico que esteja te estressando além do normal, é preciso identificá-lo e afastar-se desse gatilho. Caso contrário, a situação pode se tornar insustentável.

  • Por fim, não desconsidere manter um diário da gratidão, que pode abrir os seus olhos para pontos especiais da sua rotina antes esquecidos, e claro, falar com uma escuta capacitada. A terapia é sempre um caminho válido!

Pronto! Agora você já consegue iniciar o novo ciclo mais atento e mais forte a quem mais importa: você mesmo! Coloque como meta em 2024 estar no topo das suas prioridades e perceba os benefícios da sua atitude.

Compartilhar:


Coloque em prática

Como se comunicar melhor com as outras pessoas

Não basta saber falar, é preciso saber ouvir. Você acredita ser capaz? Confira dicas!

18 de Julho de 2019


Uma área pouco praticada na comunicação é a arte de ouvir ativamente . Em um mundo de ritmo acelerado, no qual raramente conseguimos acompanhar tudo o que acontece, nos concentrarmos em outra pessoa, ouvir o que ela tem a dizer e dar a ela toda a nossa atenção não é algo automático.

O maior presente que você pode dar a outra pessoa, no entanto, é focar nela e deixar de lado o que gostaria de dizer e fazer, para ouvir cada palavra que ela diz. Ouvir é uma habilidade da comunicação que pode ser praticada e aprimorada. Se você quer ser percebido como um grande comunicador, um amigo maravilhoso e uma pessoa que os outros querem estar por perto, comece a aperfeiçoar sua capacidade auditiva.

Tente seguir algumas dessas etapas para fortalecer a sua audição e, assim, melhorar a sua comunicação:

 1. No telefone, concentre-se na conversa
Em vez de ler e-mails, enviar mensagens e dirigir seu carro, ouça o interlocutor. Você pode ter que virar as costas para o seu computador, se afastar das distrações e remarcar a chamada para um momento em possa se concentrar na conversa. Tente isso e perceberá que seus diálogos são mais ricos e incluem informações mais interessantes do que  poderia ter pensado antes.

2. Evite dar a sua versão de eventos similares
Observe com que frequência as pessoas ao seu redor fazem isso e com que frequência você também faz. Ouviu falar de alguém que acabou de ir para Paris? Você vai contar o que ama na cidade. Alguém está sofrendo porque acabou de perder um amado animal de estimação?

Você conta como seu coração partiu quando seu cachorro faleceu. As pessoas fazem isso o tempo todo. O objetivo é encontrar uma conexão, mas isso volta a atenção para você e afasta o interlocutor. Evite contar sua história e, em vez disso, faça uma pergunta ou duas sobre o relato alheio.

3. Aprenda a fazer boas perguntas
Você pode atuar como entrevistador sem invadir a privacidade de alguém. As perguntas para a maioria das pessoas geram uma resposta se forem feitas de maneira sincera e interessada. Pergunte com verdadeira curiosidade e desejo de aprender: "O que fez você decidir mudar de cidade?" ou "Qual era a sua aula favorita na faculdade e por quê?".

Desenvolva algumas questões boas e abertas, que não sejam de resposta “sim” ou “não”. Você pode sentir-se intrometido no começo, mas, na verdade, a maioria das pessoas gosta de falar sobre si, especialmente se a pergunta é interessante.

4. Perceba como pode compartilhar pouco e ouvir mais
Você não vai apenas atirar perguntas, evidentemente. Você precisará concordar com a cabeça, responder com um comentário e compartilhar insights. Na maioria das conversas, aprenderá muito sobre os outros e compartilhará pouco sobre si mesmo. (Não se preocupe, você terá uma chance de falar.) Com esse comportamento, o outro ficará naturalmente mais interessado ​​em você e em suas experiências.

Fonte: Beverly D. Flaxington, para Psychology Today
Síntese: Equipe Plenae
Leia o artigo completo aqui.

Compartilhar:


Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se na nossa Newsletter!


Seu encontro marcado todo mês com muito bem-estar e qualidade de vida!

Grau Plenae

Para empresas
Utilizamos cookies com base em nossos interesses legítimos, para melhorar o desempenho do site, analisar como você interage com ele, personalizar o conteúdo que você recebe e medir a eficácia de nossos anúncios. Caso queira saber mais sobre os cookies que utilizamos, por favor acesse nossa Política de Privacidade.
Quero Saber Mais